(54) 3632 5485 contato@destaquerural.com.br

Vendas de máquinas agrícolas deve crescer 11% em 2018

Anfavea ajusta projeções para a indústria automobilística

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Anfavea, divulgou na quinta-feira, 4, em São Paulo, novas previsões para este ano. O licenciamento de autoveículos projetado para 2018 agora é de crescimento de 13,7%, alcançando 2,54 milhões de unidades – a previsão anterior era alta de 11,7%.

Nas exportações, o ajuste foi para baixo: ao invés de empatar com o resultado de 2017, a entidade prevê encerrar o ano com 700 mil veículos exportados, uma queda de 8,6% sobre o ano passado. Os novos desempenhos de licenciamento e exportação geraram leve alteração na produção, cuja expectativa para 2018 passa a ser de 11,1%, com registro de 3,0 milhões de unidades, ao invés dos 11,9% antes projetado.

Já o segmento de máquinas agrícolas e rodoviárias terminará 2018 com 47 mil unidades negociadas, aumento de 11% sobre o ano passado – a última projeção indicava alta 7%. As exportações deverão ficar estáveis com 14 mil unidades, e a produção chegará em 61 mil, elevação de 15%.

Para Antonio Megale, presidente da Anfavea, a revisão foi necessária principalmente pelos bons resultados do mercado interno e pelas exportações para a Argentina, principal parceiro comercial do Brasil:

“O mercado interno brasileiro progride mês após mês, com mais intensidade no segmento de caminhões e de máquinas agrícolas, o que gerou essa necessidade de revisarmos para cima nossas projeções de vendas. Por outro lado, a situação macroeconômica da Argentina impactou o mercado interno daquele país e, consequentemente, as exportações brasileiras para lá, por isso diminuímos nossa previsão neste quesito”.

Resultados
Em setembro desse ano, 213,3 mil autoveículos foram licenciados, alta de 7,1% com relação ao mesmo mês do ano passado com 199,2 mil e queda de 14,2% quando comparado com as 248,6 mil de agosto desse ano. No acumulado do ano, o balanço aponta crescimento de 14%, com 1,84 milhões de unidades comercializadas este ano contra 1,62 milhões em 2017.

Para Antonio Megale, presidente da Anfavea, o resultado da indústria automobilística em setembro já era esperado, mas o ritmo de vendas surpreendeu:

“O desempenho menor em setembro equiparado com agosto é normal, pois tivemos quatro dias úteis a menos no mês. Entretanto, o ritmo da média diária foi a maior do ano até agora, acima de 11 mil unidades, algo extremamente positivo e que demonstra aquecimento do mercado automotivo”.

No último mês foram produzidos 223,1 mil veículos, baixa de 6,3% sobre as 238,0 mil unidades do mesmo mês de 2017 e queda de 23,5% contra agosto, com 291,5 mil unidades. Até o nono mês do ano 2,19 milhões de unidades saíram das linhas de montagem, expansão de 10,5% ante as 1,98 milhões do ano passado.

O resultado das exportações continua impactado pela baixa das compras da Argentina e do México. Em setembro 39,4 mil unidades cruzaram as fronteiras, decréscimo de 34,5% frente a igual período de 2017 com 60,2 mil unidades e de 29,7% no confronto com as 56,1 mil de agosto. O acumulado aponta retração de 8%: 524,3 mil unidades em 2018 e 570,0 mil no ano passado.

Caminhões e ônibus
No segmento de caminhões, o licenciamento subiu 47,7% ao defrontar as 6,7 mil unidades de setembro deste ano com as 4,5 mil do mesmo mês de 2017, mas baixou 10% ante as 7,5 mil de agosto. No acumulado, o balanço apresenta alta de 49,2%, com 52,8 mil unidades em 2018 e 35,4 mil no ano passado.

A produção de caminhões registrou em setembro 9,1 mil unidades, número 19,9% superior às 7,6 mil de setembro do ano passado e 6% inferior às 9,7 mil de agosto deste ano. No período acumulado as 77,3 mil unidades fabricadas este ano estão 30,5% maiores que as 59,2 mil de 2017.

As exportações apresentaram recuo de 25,4%, com 1,8 mil unidades em setembro e 2,4 mil no mesmo mês do ano passado. No comparativo com agosto, quando 2,2 mil unidades foram enviadas para outros países, a diminuição é de 17%. A soma dos nove meses do ano aponta decréscimo de 4,5%, com 20,5 mil caminhões em 2018 e 21,4 mil em 2017.

No segmento de ônibus as vendas em setembro alcançaram 1,5 mil unidades, contração de 4,5% frente as 1,6 mil unidades comercializadas em agosto e crescimento de 73,2% se comparado com as 865 unidades de setembro do ano passado. No acumulado as 10,5 mil unidades licenciadas em 2018 indicam expansão de 22,4% sobre as 8,6 mil do ano anterior.

A produção de 2,2 mil chassis de ônibus em setembro está 33,4% superior às 1,7 mil do mesmo mês de 2017 e 24,7% abaixo das 3,0 mil de agosto. De janeiro a setembro a produção chegou em 23,1 mil unidades, elevação de 42,9% sobre as 16,1 mil do mesmo período no ano passado.

A exportação de ônibus alcançou 6,5 mil unidades, diminuição de 3,6% contra as 6,7 mil unidades de 2017.

Máquinas agrícolas e rodoviárias
As vendas internas de máquinas agrícolas e rodoviárias em setembro foram de 4,9 mil unidades, acréscimo de 17,5% com relação as 4,2 mil do mesmo mês do ano passado e queda de 2,3% ante as 5,0 mil de agosto. O total de máquinas negociadas no acumulado cresceu 7,7%, com 34,6 mil unidades este ano e 32,1 mil no ano anterior.

Os fabricantes produziram 5,8 mil unidades em setembro, índice 14,9% menor do que as 6,8 mil unidades que saíram das linhas de montagem em agosto e 40,1% superior ante as 4,1 mil de setembro de 2017. No acumulado deste ano, a produção chegou a 46,2 mil unidades: crescimento de 9,2% em relação as 42,3 mil do ano passado.

As exportações até setembro foram de 9,7 mil unidades, número menor em 2,4% se defrontado com as 10,0 mil do ano passado.

Deixe uma resposta