Boehringer Ingelheim Saúde Animal lança vacina no combate à Diarreia Viral Bovina (BVD)

Uma das líderes mundiais em saúde animal anuncia o lançamento da vacina Bovela™ para bovinos de corte e de leite

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Giseli Furlani – Destaque Rural

A Boehringer Ingelheim Saúde Animal lançou nesta quarta-feira, 15, na Fazenda Colorado (Araras/SP), a vacina Bovela™, aliada no combate à Diarreia Viral Bovina (BVD) – uma doença silenciosa que provoca uma série de problemas no rebanho. De acordo com a Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), a BVD é uma das enfermidades de maior impacto negativo na produção de carne e leite na pecuária mundial, inclusive no Brasil, onde há casos em todos os estados.

O vírus provoca problemas reprodutivos no rebanho, tanto no gado leiteiro quanto no gado de corte, incluindo aborto, repetição de cio, reabsorção embrionária e mumificação fetal. Também causa problemas respiratórios, o nascimento de bezerros debilitados (alguns não sobrevivem) e queda da imunidade o que, consequentemente, abre portas para a entrada de outras doenças.

De acordo com o médico veterinário e gerente de produtos da Boehringer, Fernando Dambrós, no gado leiteiro a BVD compromete o aumento da concentração das células somáticas, aumento da incidência de mastite, queda na produção de leite e maior investimento com antibióticos com outras doenças oportunistas. O médico veterinário ressalta que não é uma doença que preocupa somente os produtores de leite, mas também o gado de corte, seja extensivo ou confinamento. “Uma vaca que tiver BVD vai ingerir menos alimento e acabará refletindo na perda de peso se estiver no confinamento ou não terá o desempenho correto para ser enviada ao confinamento”.

Outro fator importante da BDV é a formação de animais PI (Persistentemente Infectados), que ocorre quando a vaca está entre 40 e 120 dias de gestação. “Quando a vaca entra em contato com o vírus neste período o bezerro nascerá PI e será uma fonte de disseminação do vírus na propriedade, que será eliminado através das fezes e secreção nasal”, relata o médico veterinário.

O desenvolvimento da vacina, que levou 17 anos, teve os testes realizados na Europa, que resultaram 100% eficazes. De acordo com Dambrós, esse resultado só foi possível por ser uma vacina com o vírus vivo e com a tecnologia L2D (Live Double Deleted – Viva Duplamente Deletada). “A Bovela, hoje é única vacina viva contra a BVD disponível no mercado brasileiro e conta com a tecnologia L2D, fator essencial para o controle eficaz da doença”, relata o médico veterinário.

A vacina pode ser aplicada a partir dos três meses de idade e não requer reforço após 30 dias, isso para animais que estão recebendo a primeira dose. E para evitar a formação de animais PI, a vacina deve ser aplicada três semanas antes da inseminação.

O Brasil é o primeiro país onde a vacina está sendo registrada fora da Europa. A comercialização do produto já está disponível em frascos de 5 e 25 doses e possui dose única, que tem durabilidade de um ano, um grande diferencial da Bovela, já que é a pioneira no mercado nacional sem necessitar de reforço após 30 dias. O lançamento ocorreu como parte do roteiro do 12ª Road Show para jornalistas do agronegócio uma realização da Texto Comunicação Corporativa. 

Sobre a Boehringer Ingelheim Saúde Animal

Segunda maior empresa de saúde animal do mundo, a Boehringer Ingelheim conta com mais de 10 mil funcionários no mundo, tem produtos disponíveis em mais de 150 mercados e presença global em 99 países. No Brasil, possui escritório em São Paulo e em Campinas.

Deixe uma resposta