Expodireto 2018 – Aumento da produtividade garante segunda maior safra de verão do RS

Foto: José Medeiros/Ed. Globo
Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Como tradição durante a Expodireto Cotrijal, a Emater/RS-Ascar anunciou na manhã desta terça-feira (06/03) o levantamento sobre as condições das lavouras da safra de verão 2017/2018, no Café com Leite para a Imprensa, organizado na Casa da Família Rural. O presidente da Emater/RS, Clair Kuhn, apresentou os dados coletados em todo o Estado, considerando a situação das lavouras até a primeira quinzena de fevereiro/2017. Segundo os números preliminares, houve redução no total da área cultivada no Estado e na produção referente a algumas culturas, entretanto, a produtividade manteve-se elevada. A safra de verão 2017/2018 deverá alcançar uma produção de 30,2 milhões de toneladas, o que causará um impacto econômico no valor bruto superior a R$ 27 bilhões. Com a confirmação desses números, esta será a segunda maior safra de verão no Estado do RS. 

Passando para a análise individual de cada cultura, o cultivo do arroz sofreu uma pequena redução na expectativa da área total e da produção no Estado, em torno de 0,8%, que se refere a uma área de 1,09 milhões de hectares e uma produção de 8,4 milhões de toneladas. “Os números analisados referem-se às estimativas da intenção de plantio e a intenção de colheita. Na cultura do arroz, houve uma redução na área plantada e na estimativa de produção, porém, a produtividade se manteve a mesma (7,7 mil kg/ha)”, argumentou o presidente da Emater/RS, Clair Kuhn.

O cenário para o feijão 1ª safra apontou algumas diferenças. Mesmo com uma redução de 3,2% na área total (área atual de 42,3 mil hectares), a expectativa de produção e da produtividade aumentou significativamente, fechando a safra com uma estimativa de acréscimo de 16,3% na produção (expectativa atual 68,3 mil toneladas) e superior a 20% na produtividade (1,6 mil kg/ha).

O milho grão apresentou uma variação similar, mas em menor proporção. Independente dos números apontarem uma redução de 3% para a área total plantada no Estado (721,6 mil hectares área atual), a expectativa de produção e a produtividade mantém-se com saldo positivo. A produção de milho grão subiu 0,11% (expectativa atual de 4,6 milhões de toneladas) e a produtividade está mais elevada em 1,45% (6,3 mil kg/ha).

Para o milho silagem, os números apontam uma redução no total da área cultivada e na expectativa de produção. Essa cultura reduziu para 378,7 mil hectares de área total, um percentual de 2,57% comparando com a estimativa inicial. A produção também sofreu uma redução de 2,16%, diminuindo expectativa para 14,2 milhões de toneladas. Entretanto, mesmo com a redução nos dois aspectos da cultura, área e produção, a expectativa da produtividade é positiva, com aumento de 0,43% referente à estimativa inicial (expectativa atual 37,6 mil kg/ha). “Além do milho grão, é importante observarmos o desenvolvimento dessa cultura, que está relacionada com outras atividades do setor agropecuário, como a bovinocultura de leite, e que é tão significativa para o nosso Estado e para o desenvolvimento das famílias do campo”, acrescentou Kuhn.

A cultura da soja, como era esperada, apresentou um saldo positivo em todos os aspectos, aumento da área cultivada, expectativa de produção e produtividade. A área total plantada no Estado subiu 0,13%, registrando uma área atual de 5,7 milhões de hectares. A produção aumentou em 2,19%, gerando uma expectativa atual de 17,1 milhões de toneladas. A produtividade também teve um crescimento em comparação à estimativa inicial. Com 2,04% de aumento, a expectativa de produtividade média no Estado na soja é de 2,9 mil kg/ha.

Ao realizar um comparativo com a safra anterior (2016/2017), analisando área, rendimento e produção por região, as quatro principais culturas de grãos apresentaram redução. No entanto, os valores finais foram significativos. Para esta safra de verão 2017/2018 a produção deverá ser de 30,2 milhões de toneladas. “Com esse resultado, mesmo diminuindo três milhões de toneladas em comparativo à super safra do ano passado, alcançamos o segundo lugar no ranking das dez maiores produções de grãos de verão no Estado do RS. Precisamos celebrar, comemorar o nosso agricultor, a nossa Emater, porque a locomotiva da agricultura continua crescendo”, anunciou o presidente da Emater/RS.

Café com Leite

O Café com Leite para a Imprensa contou com a presença do secretário Estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Tarcísio Minetto, do diretor técnico da Emater/RS, Lino Moura, do presidente da Cotrijal, Nei César Mânica, do prefeito de Não-Me-Toque, Armando Carlos Roos, do gerente do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, Oriberto Adami, entre outras autoridades e lideranças.

O secretário da SDR, Tarcísio Minetto, ponderou alguns fatores que devem interferir no resultado desta safra. “Analisando alguns aspectos que envolveram esta safra, temos certeza que teremos impactos levando em conta as questões climáticas, os aspectos econômicos e da produtividade. Esperamos que estes números possam se confirmar e que haja aumento na produtividade, para compensar os fatores que ocasionaram possíveis quedas nas áreas e produção de grãos”, destacou Minetto.

Para o presidente da Cotrijal, Nei César Mânica, os dados anunciados são resultado de um esforço conjunto das entidades, em prol do setor agropecuário do Estado. “Os números apontam que teremos este ano a segunda maior safra de grãos do Estado. É gratificante ver esses bons resultados divulgados aqui na Feira, que tem o objetivo de oportunizar o desenvolvimento, o crescimento tecnológico. E a Emater tem grande responsabilidade nisso. A Expodireto sem a Emater, sem a agricultura familiar, não é a Expodireto. É uma presença que engrandece a Feira e é um reflexo do trabalho realizado a campo, junto às famílias de agricultores”, reconheceu Mânica.

Deixe uma resposta