(54) 3632 5485 contato@destaquerural.com.br

Preço do leite volta a subir no RS

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Depois de seis meses de queda, o preço do leite voltou a subir no Rio Grande do Sul. Segundo dados apresentados nesta terça-feira (28/11) pelo Conseleite, o valor de referência estimado para novembro (considerando apenas os dez primeiros dias do mês) é de R$ 0,8653, valor 4,36% acima do consolidado de outubro, que fechou em R$ 0,8292. A valorização foi puxada pelo aumento do leite UHT, que atingiu 8,15% no mês. Também tiveram aumento expressivo o queijo prato (7,76%) e o mussarela (5,91%). O valor nominal médio acumulado no ano (11 meses) indica queda de 6,72%. Considerando valores reais (levando-se em conta a inflação medida pelo IPCA), a redução no período chega a 9,61% “De acordo com análises gráficas setoriais, a tendência para 2018 é de preços melhores do que os praticados neste ano”, projetou o professor da UPF, Eduardo Finamore.

O movimento de alta em novembro já era esperado pelo setor produtivo devido às limitações de importação impostas no mês passado ao leite uruguaio e à redução da captação no campo. Segundo o presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, é importante considerar que a situação do setor é crítica, com saldo acumulado de perdas no ano tanto ao produtor quanto à indústria. Nos últimos dias, informa ele, o mercado se demonstrou mais cauteloso como reflexo da retomada das aquisições do país vizinho, o que sinaliza para estabilidade nos próximos meses. “O Rio Grande do Sul não manda no mercado brasileiro. A gente tem que dançar a música do mercado. Estamos sofrendo por um mix de fatores que inclui a importação de leite, a queda de consumo devido à crise e diversas outras questões”, salientou Guerra.  Além disso, indicou o também presidente do Sindilat, a projeção do PIB para 2018 é positiva , o que deve recuperar o poder de consumo das famílias.

Segundo ele, é importante reforçar a questão da competitividade da produção. “É essencial reduzir custos para poder enfrentar esse mercado”, completou. Ele argumenta que o mercado é soberano em relação ao desejo dos players. “As indústrias não querem baixar preço”, disse.

 

Tabela 1: Valores Finais da Matéria-Prima (Leite) de Referência1, em R$ – Outubro de 2017.

Matéria-prima Valores Projetados Outubro /17 Valores Finais

Outubro /17

Diferença

(Final – projetado)

I – Maior valor de referência 0,9507 0,9536 0,0029
II – Valor de referência 0,8267 0,8292 0,0025
III – Menor valor de referência 0,7440 0,7463 0,0023

(1)     Valor para o leite posto na plataforma do laticínio com Funrural incluso (preço bruto – o frete é custo do produtor)

 

 

Tabela 2: Valores Projetados da Matéria-Prima (Leite) de Referência1, em R$ – Novembro de 2017.

Matéria-prima

Novembro /17 *
I – Maior valor de referência 0,9951
II – Valor de referência 0,8653
III – Menor valor de referência 0,7788

(1) Valor para o leite posto na plataforma do laticínio com Funrural incluso (preço bruto – o frete é custo do produtor)

Deixe uma resposta