Botulismo bovino: Como armazenar corretamente a ração, sais mineral e proteinado com segurança

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado
A partir da morte de mais de mil cabeças de gado no Mato Grosso do Sul com suspeita de botulismo transmitido pela ração, consultor agropecuário orienta sobre melhor forma de não correr riscos e prejuízos com insumos alimentares

Com a morte de mais de mil cabeças de gado no Mato Grosso Sul com suspeita de botulismo transmitido pela ração devido a falhas no armazenamento, a Boi Saúde – Pecuária Inteligente orienta aos produtores rurais sobre como armazenar corretamente a ração e os sais mineral e proteinado com segurança, com objetivo de prevenir não só doenças, mas também prejuízos a partir de mortes do gado. As orientações são de José Carlos Ribeiro, consultor agropecuário que atua há mais de 15 anos no setor:

Verifique a cobertura do galpão: a incidência de raio solar prejudica os micro e macroelementos da nutrição animal.

Nunca deixa os sacos de ração diretamente no solo: quando for armazenar sacos de ração, nunca os deixe diretamente no solo, independentemente do piso, coloque sempre em um estrado de madeira porque a umidade sempre altera a matéria seca.

Combata todos os roedores dos galpões: esses animais são grandes vilões e podem prejudicar o sal mineral e outros nutrientes oferecidos ao seu gado.

O botulismo bovino é uma intoxicação causada pela absorção das toxinas produzidas pela bactéria Clostridium botulinum. Essa doença também é conhecida como doença da vaca caída e geralmente ocorre quando os bovinos são criados em pastagens deficientes em fósforo ou quando recebem suplementação alimentar inadequada. Dessa forma, o animal começa a buscar essa suplementação em lixo, pequenos animais mortos, carcaças, etc. Isso faz com que o animal adquira a bactéria presente nesses itens.

“A melhor maneira é prevenir, por meio de manter o ambiente com condições sanitárias adequadas, fazendo uma suplementação alimentar que corrija as deficiências da pastagem, verificação das condições da água e a vacinação de todo o rebanho, além do armazenamento correto dos insumos nutricionais oferecidos ao gado”, conclui Ribeiro.

Deixe uma resposta