Mercado da soja sobe 11 pontos após dois dias de queda

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Os meses entre junho e agosto são os que mais geram especulação no mercado internacional

Redação Destaque Rural

A bolsa de Chicago operou em alta na manhã de hoje (14). As cotações da soja subiram aproximadamente 11 pontos e o contrato futuro de novembro/17 estava na casa dos US$9,95.  No entanto, o momento é de especulação do mercado americano em relação às previsões de chuva no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Para o corretor Claiton Santos esse pequeno aumento se deve ao fato de hoje ser sexta-feira. Nos próximos dois dias não haverá informação disponível sobre o clima dos Estados Unidos.  “Como ainda existe o risco das chuvas, não se sabe ao certo a quantidade, o mercado tende a buscar agora uma recuperação. É o que se pode chamar de ‘correção técnica’. Se caiu muito em um dia, no outro o mercado tende a subir”, diz Santos.

O corretor ainda acrescenta que se a chuva não se confirmar, o mercado pode buscar uma retomada de alta mais uma vez. “Caso contrário, se as chuvas ocorrerem no final de semana, o mercado na segunda-feira pode devolver estes 11 pontos [de hoje] ou até mais”, comenta.   Os meses entre junho e agosto são os que mais geram especulação no mercado internacional, por conta do desenvolvimento das lavouras americanas. Claiton chama este momento de “período crítico”. Mais de 60% dos movimentos na bolsa são de investidores, que jogam diariamente informações no mercado para movimentar os preços, seja para cima ou para baixo.  Um boato de chuva, de seca, de atraso no plantio ou de quebra na produção pode afetar os produtores que realizam negócios na Bolsa de Chicago (CBOT-Chicago Board of Trade, em inglês).

COMERCIALIZAÇÃO

As vendas de soja tiveram uma aquecida nos últimos dias por conta da alta do grão nas primeiras semanas de julho, mas ainda continuam baixas. “O produtor vendeu para atender as demandas mais curtas, de curto prazo, muitos ainda estão ‘sentados no grão’, o produtor está desconfiado do mercado”, finaliza Santos.

Deixe uma resposta