(54) 3632 5485 contato@destaquerural.com.br

Audiência em Brasília não define futuro do Funrural

Foto: Fabiana Duarte
Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Produtores rurais e empresários do agronegócio se mobilizaram para pedir o fim da cobrança do imposto

Redação Destaque Rural

Mais de dois mil agricultores saíram em caravana dos principais estados produtores brasileiros com destino a Brasília para participar da audiência pública do Senado Federal e da Câmara dos Deputados acerca da cobrança do Funrural. Cerca de 700 conseguiram participar da audiência, o restante ficou do lado do fora do plenário do Senado. O debate foi promovido pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).   As manifestações contra a cobrança do imposto acontecem desde ontem, 2, quando produtores acamparam na frente da Casa.

O futuro da cobrança do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural ainda está incerto. Durante a audiência realizada hoje, 3, o presidente da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, deputado federal Sérgio Souza (PMDB/PR), declarou que as negociações com o governo devem ocorrer até 16 de maio.   De acordo com o deputado, o governo federal cogitou apenas refinanciar a dívida e não esperava a proposta de redução da alíquota daqui para frente, como sugeriu a FPA.  Segundo o deputado federal e presidente da FPA, Nilson Leitão (PSDB/MT), há uma série de negociações sendo feitas com o governo, mas não descarta a possibilidade do produtor rural pagar a contribuição.

Para o presidente do Sindicato Rural de Passo Fundo, Jair Dutra Rodrigues, a audiência foi positiva. “Iniciou as negociações com o governo federal para que o Funrural ou seja extinto, ou tenha uma taxa menor do que é exigido hoje”, afirmou Rodrigues.  O presidente do Sindicato Rural também ressaltou a participação dos parlamentares presentes na reunião, que, segundo ele, estão empenhados para resolver este problema.  “Alguns políticos também querem explicação sobre os motivos que, em 2010, o Funrural foi considerado inconstitucional e, agora, o STF volta atrás com uma votação de 6×5, retomando o imposto”, conclui Jair Rodrigues.

Foto: Fabiana Duarte

Deixe uma resposta