Quem é quem na guerra da carne?/Por José Luiz Tejon Megido

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Por José Luiz Tejon Megido, Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM

Enquanto o sistema da carne no Brasil sofre com o escândalo da corrupção, que virou injustamente uma bomba contra a segurança do produto brasileiro, fico com uma dúvida superior.

O Ministro da Justiça, Osmar José Serraglio, é citado nas escutas da Operação Carne Fraca. Por outro lado, recentemente, a Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal pedia a substituição do Diretor da Corporação, o delegado Leandro Daiello, que foi mantido no cargo, pelo Ministro da Justiça, agora mencionado nas escutas da operação.

Coisa muito esquisita. Fico com a pulga atrás da orelha, ou melhor, com uma mosca de chifre rondando e zumbindo nas orelhas dos bovinos que me estimulam a inferir. Lei das inferências que poderia existir, tem muito mais coisa por trás do caso da carne fraca do que os santos bois, suínos, frangos e seus produtores rurais poderiam imaginar. Talvez nada a ver com a carne por si só.

Muito curioso que tenha sido tão mal comunicada essa Operação. Não creio na ignorância ou na ingenuidade dos agentes ao transformar papelão em embutido ou ácido ascórbico em veneno, equivocadamente. Não se faz um erro desse tipo a toa, não se explode uma bomba atômica que arrasa milhões, para pegar somente 33 fiscais acusados de corrupção e apenas 21 plantas frigoríficas. Além de, acusar um, eu disse um Ex Superintendente do Ministério da Agricultura do Paraná, este que também havia sido indicado a pedido do atual Ministro da Justiça antes de estar nesse cargo.

Muito pouco para tanta desgraça. Não é possível. Será que a carne brasileira, que movimenta cerca de 40% do agronegócio do país, não está sendo apenas uma peça, e neste caso terrivelmente escolhida por todas as consequências advindas, na manobra de disputas de poder, de estratégias maquiavélicas na luta apocalíptica de interesses, onde o Brasil, o cidadão brasileiro, e neste caso o produtor rural, terminam como os grandes prejudicados?

70% dos delegados da Polícia Federal, segundo sua Associação, pediam  a troca do atual diretor e explode uma operação na qual o próprio Ministro da Justiça é citado, e isso tudo gerando imensa confusão, prejudicando até a própria positiva percepção de competência da Polícia Federal perante a nação. E agora, os próprios delegados da PF criticam a dita Operação.

Tudo muito estranho. Até porque tirou a Lava Jato do estrelato nestes dias, e com consequências desastrosas. Essas que temos, em apenas uma semana, 130 milhões de dólares a menos no caixa do país, desemprego, angústias, aflição, e uma festa para os concorrentes e os detratores da proteína animal.

Talvez a Polícia Federal não estivesse falando de proteína animal, tampouco sobre carne fraca. Até porque a carne do Brasil é forte e a ciência comprova. Quem sabe não afirmo, mas me permitam imaginar e inferir: se trate sim, de uma Operação de olho na carne fraca humana, na guerra das facções das forças dos poderes nacionais.

Precisamos prestar atenção, muita atenção, pois o pior inimigo do mundo é o inimigo interno. A carne brasileira é a forte e vai se recuperar já já!

Deixe uma resposta