A nogueira pecã e a permanência do homem no campo

Foto: Divulgação/Internet
Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

As mudas da árvore aparecem como uma forma de integração do sistema agrossilvipastoril

A nogueira pecã é uma árvore vinda do sul dos Estados Unidos. Proporciona além de nozes, uma forma de garantir a permanência do jovem no campo. No Brasil, a pecã foi introduzida por volta do ano de 1866, por imigrantes norte-americanos que vieram para o Brasil após a Guerra da Secessão (1861-1865).

Em Cachoeira do Sul, distante cerca de 200 quilômetros de Porto Alegre, há 400 mil mudas de nogueira pecã. Algumas destas mudas vieram até a cidade de Não-Me-Toque para a Expodireto Cotrijal e foram expostas em um estande junto ao espaço da Emater-RS/Ascar.

A Divinut é a empresa que traz essas nozes ao mercado. De acordo com Edson Ortiz, fundador da Divinut, a empresa é pioneira. “Na produção de nogueiras-pecã, com raiz coberta e no sistema de implantação e manejo, nós somos pioneiros”, afirma Ortiz.

No ramo desde que começou a vida profissional, há aproximadamente 30 anos, Edson garante que a produção e a manutenção das árvores é uma opção rentável para quem quiser permanecer nas atividades agrícolas. “É lucrativo para o produtor ter as mudas de nogueira, está 15 reais o quilo das nozes”.

Cerca de dois mil produtores no Rio Grande do Sul compram as mudas de Edson e ajudam a manter um sistema que integra árvores, cultivos agrícolas e atividade pecuária. A nogueira também serve para fazer sombra ao gado leiteiro, além de servir para o pasto. A muda de nogueira, que é o que a Divinut comercializa, pode ser plantada em qualquer época do ano.

Dentre as modalidades de plantio da nogueira, estão a formação de pomares comerciais, exclusivos ou consorciados com culturas perenes ou culturas anuais, ornamentação de parques, jardins, vias públicas. A muda, de acordo com Edson Ortiz, dispensa tratamentos químicos e ou pulverizações.

Foto: Divulgação/Internet

 

Deixe uma resposta