“Brasil volta à mesa”

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, chegou com a maior comitiva internacional da história da feira

Embaixadores e diplomatas de 40 países vieram a Não-Me-Toque para acompanhar o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi na 18ª Expodireto Cotrijal. O ministro chegou no final da manhã ao parque e, mesmo estando há pouco tempo na feira, já recebeu reivindicações. Na Casa da Família Cotrijal, junto a senadora Ana Amélia Lemos (PP) e alguns embaixadores, o presidente da Cotrijal, Nei Mânica, entregou em mãos do ministro, um documento sobre a situação da BR 392, que escoa a produção gaúcha de grãos até o porto de Rio Grande.

Foto: Ana Cláudia Capellari

Em coletiva a imprensa, no estande do MAPA, Maggi reforçou a importância de estar na Expodireto. “Especialmente essa feira, sempre nos mostra o que vem pelo futuro, novas tecnologias em agricultura de precisão”. Ainda falou sobre a participação dos embaixadores e diplomatas. “Isso para nós é muito interessante. Mostrar a eles, não só a agricultura, mas principalmente as máquinas”, comenta o ministro.

Quando questionado sobre a cabotagem do trigo, o ministro foi enfático: “Eu não conheço exatamente como funciona”, negou Blairo Maggi. Apesar da expectativa de uma fala sobre redução de juros do plano safra, nenhum anúncio foi feito na feira. Ainda sobre os problemas logísticos da BR 163, que é a principal rodovia de escoamento da produção de grãos do Mato Grosso, afirmou que não faltou investimento para a infraestrutura da estrada. “Sempre teve dinheiro. O problema é que as empresas que foram contratadas na época eram muito fracas, os contratos muito ruins e eles não conseguiram entregar o prometido”, explica Maggi.

O ministro também comentou sobre as oportunidades que o Brasil pode ter com a saída dos Estados Unidos da Parceria Transpacífica: “o Brasil ‘volta a mesa”, se referindo aos negócios internacionais. A China era um mercado fechado para brasileiros e, caso a oportunidade seja aproveitada, o Brasil tende a lucrar.

Deixe uma resposta