Soja safrinha ainda é polêmica no Rio Grande do Sul

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Cultivo do grão fora da época de zoneamento agrícola ainda gera dúvidas: é possível fazer?

A soja é o grão mais rentável. E por essa questão de mercado, é que produtores rurais brasileiros têm investido na soja fora da época comum de plantio. Com uma gama extensa de portfólios disponíveis, o pensamento do agricultor se volta para a maior produtividade.

Para o pesquisador de Sistemas de Produção da Embrapa Trigo, João Leonardo Pires, esse fenômeno acontece pela valorização da soja no mercado. “Isso é um detalhe importante. É o produtor querendo fazer mais ciclos. Isso é a cultura do dinheiro”. O pesquisador salienta que há justificativas para o agricultor agir dessa maneira, visto que a soja tem rentabilidade alta, mas alerta sobre cuidados importantes. “A grande questão é a dificuldade técnica em fazer isso”, finaliza Pires.

De acordo com estudos da Embrapa de 2014 ainda faltam informações oficiais a respeito da área de cultivo de soja na safrinha e de seu crescimento nos últimos anos. Segundo João Leonardo, esse cultivo tardio da soja penaliza a produção como um todo. “Muitas vezes o produtor não tem cobertura de sistemas de políticas agrícolas, como o seguro rural e entre outros”. O risco de produzir soja fora da época tradicional de plantio cai inteiro nas costas do produtor rural.

O pesquisador ressalta que a soja cultivada na safrinha, especialmente em sequência a outra lavoura de soja (soja sobre soja), apresenta problemas fitossanitários, como a ferrugem asiática, por exemplo.

VER MAIS: Entrevista com Caroline Wesp Guterres sobre Ferrugem Asiática.

Por outro lado, João Leonardo reforça que esse cultivo não é impossível de ser feito. “A pesquisa não vê esse cenário como impossível, a gente já vê algumas regiões delimitadas. Pode ser uma opção”. Ainda destaca que na região noroeste do Rio Grande do Sul essa prática pode ser bem sucedida, pois a região proporciona um clima de geadas mais restrito.

O pesquisador é otimista sobre o futuro da soja safrinha no Rio Grande do Sul. “Se a gente conseguir delimitar uma região onde isso tem potencial e com a tecnologia adequada, poderia ser uma opção para fazer em alguns anos”, afirma João Leonardo.

DESAFIOS DE PRODUZIR SOJA

O pesquisador acredita que o principal desafio para produzir soja no Rio Grande do Sul é a questão de melhoramento do solo. “Principalmente a estrutura do solo, nós precisamos manter mais água no sistema”, conclui João Leonardo.

Deixe uma resposta