Preços do boi gordo caíram em março com aumento de oferta

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado de boi gordo teve um mês bastante conturbado em março diante da deflagração da Operação Carne Fraca. “O momento já era complicado, com pressão de aumento de oferta uma vez que a safra vai ganhando ritmo”, aponta o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, a ação da Polícia Federal e os embargos temporários à entrada da carne brasileira em alguns países forçaram os frigoríficos a tomarem uma postura muito mais defensiva na compra de boi gordo, reduzindo de maneira significativa os preços de balcão. “Os frigoríficos tentam não aumentar os estoques enquanto há muita incerteza em torno da normalização do ritmo das exportações no curto prazo”.
“É justamente este o intuito dos frigoríficos: manter os estoques no nível mais baixo possível, evitando excedente de oferta em momento de queda nas exportações. Enquanto isso, os pecuaristas retêm a oferta de animais terminados nas pastagens o máximo de tempo possível”, assinalou.
A média de preços da arroba do boi gordo nas principais praças de comercialização ficou assim em março:

* São Paulo – R$ 146,15 a arroba, contra R$ 147,71 em fevereiro.
* Goiás – R$ 129,71, contra R$ 130,94 a arroba.
* Minas Gerais – R$ 137,95, contra R$ 136,08 a arroba.
* Mato Grosso do Sul – R$ 135,08, contra R$ 138,66 a arroba.
* Mato Grosso – R$ 126,90, contra R$ 129,13 a arroba.

 

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 315 milhões em março (18 dias úteis), com média diária de US$ 17,5 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 77 mil toneladas, com média diária de 4,3 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.092,10.

Na comparação com fevereiro, houve perda de 3,4% no valor médio diário da exportação, baixa de 2,9% na quantidade média diária exportada e queda de 0,5% no preço médio.

Na comparação com março de 2016, houve perda de 6,4% no valor médio diário, baixa de 15% na quantidade média diária e valorização de 10,2% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Deixe uma resposta