Livro da UFRGS conta a evolução do solo no Norte do RS e Sudoeste de SC

Foto: Divulgação/Livro
Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A obra  da Universidade Federal do Rio Grande do Sul faz uma análise evolutiva do solo e fertilidade e contém 6 capítulos 

Para compor o livro foi necessário firmar parcerias e o banco de dados de análise de solos do Laboratório de Análise de Solos da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) câmpus de Frederico Westphalen, foi utilizado. O  banco de amostras é composto de 35.362 análises de solos realizadas durante os anos de 2009 a 2015 em municípios  do Sudoeste de Santa Catarina  e municípios do Norte do Rio Grande do Sul.

Cidades de Santa Catarina analisadas: Caibi, Cunha-Porã, Iraceminha, Mondai, Itapiranga, Maravilha, Palmitos, Riqueza, São João do Oeste.

Cidades do Rio Grande do Sul analisadas: Alegria, Alpestre, Ametista do Sul, Barra do Guarita, Boa Vista das Missões, Bom Progresso, Braga, Caiçara, Campo Novo, Cerro Grande, Constantina, Coronel Bicaco, Crissiumal, Cristal do Sul, Derrubadas, Dois Irmãos das Missões, Dr. Maurício Cardoso, Erval Seco, Esperança do Sul, Frederico Westphalen, Horizontina, Humaitá, Independência, Iraí, Jaboticaba, Lageado do Bugre, Liberato Salzano, Miraguaí, Novo Barreiro, Novo Tiradentes, Novo Xingu, Palmeira das Missões, Palmitinho, Pinhal, Pinheirinho do Vale, Planalto, Redentora, Rodeio Bonito, Rondinha, Sagrada Família, Santo Augusto, Santo Cristo, São José das Missões, São Martinho, São Pedro das Missões, Seberi, Sede Nova, Taquaruçu do Sul, Tenente Portela, Tiradentes do Sul, Três Passos, Tucunduva, Vidente Dutra, Vista Alegre e Vista Gaúcha.

Foto: Divulgação/Livro

A análise de solos é uma parte importante para a agricultura. Com a análise avalia-se os nutrientes que já existem no solo e é capaz de mostrar deficiências presentes no solo. Deficiências que podem ser corrigidas com manejos indicados e adubação. Sem essa análise de solos é possível que o produtor rural tenha prejuízos econômicos. Os prejuízos ambientais, no entendo, são irreversíveis. A fertilização do solo sem uma correta análise de solo resulta em baixas produtividades.

Para  baixar o livro  da Universidade Federal do Rio Grande do Sul acesse aqui.

 

 

Deixe uma resposta