(54) 3632 5485 contato@destaquerural.com.br

MILHO: Desburocratizar para irrigar

Autoridades do estado do RS celebram a abertura oficial da colheita do milho. Foto: Ana Cláudia Capellari
Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A 6º Abertura Oficial da Colheita do Milho em São Luiz Gonzaga reuniu autoridades e produtores rurais para discutir a importância da cadeia do milho para o agronegócio

O Brasil é o terceiro maior produtor de milho e grande parte do que é produzido vai para a ração animal. Na região Sul é um dos principais componentes no sistema de produção da pecuária, da rotação de culturas e formação de palha no plantio direto.  No Rio Grande do Sul, um dos estados que mais produz carne e leite, o milho é o principal insumo.

A produção de milho é estratégica para os agricultores, visto que o milho está inserido em uma cadeia que integra a lavoura a pecuária.  A produção de milho brasileira chega a 6,3% da produção mundial e atualmente o estado brasileiro líder em produção é o Paraná, segundo dados do IBGE. No milho, o estado gaúcho fica na sexta posição e a região Noroeste e das missões se destaca na produção do grão.  Segundo dados da EMATER/RS-Ascar, a expectativa é de que a safra deste ano tenha um aumento de 17% em relação à passada.

E foi nesse momento de expectativa positiva que o evento de abertura da colheita do milho gaúcho foi realizado no final de semana, em São Luiz Gonzaga e São Nicolau. Durante dois dias (27 e 28 de janeiro) produtores rurais, membros de cooperativas, técnicos e autoridades discutiram a importância do milho para o agronegócio gaúcho.

Autoridades do estado do RS celebram a abertura oficial da colheita do milho. Foto: Ana Cláudia Capellari

O primeiro dia do evento ocorreu na Associação dos Funcionários da Coopatrigo, em São Luiz Gonzaga.  Cláudio de Jesus, presidente da Apromilho (Associação dos Produtores de Milho do Estado), no primeiro dia apresentou três gargalos da produção gaúcha de milho. “o primeiro é a irrigação, o segundo é que não há um seguro que proteja o produtor de milho e o terceiro é a estabilidade do preço do milho”, definiu Cláudio. “O desafio como produtor e associação é deixar o preço estável”, finaliza o presidente da Apromilho.

Cláudio também comentou que a experiência na região Noroeste e missões é muito boa com relação ao milho. O presidente da Apromilho também enfatizou a união entre as cadeias alimentares que usam o milho, como a suína e bovina.  Essa cadeia alimentar consome cerca de 400 mil toneladas de milho.

Presidente da Coopatrigo, Ivo Batista, em pronunciamento no primeiro dia de evento. Foto: Ana Cláudia Capellari

A cooperativa de São Luiz Gonzaga tem mais de nove mil associados e o presidente, Ivo Batista, em sua fala na abertura destacou a preocupação ambiental. Cerca de 200 pessoas estavam presentes na cerimônia de abertura do primeiro dia e ouviram do presidente da Coopatrigo uma reivindicação antiga. “Precisamos pressionar nossos governantes para ter nossas necessidades atendidas. O ato de hoje e amanhã é sobre isso. Levar a bandeira do cooperativismo e agronegócio adiante”.

O segundo dia do evento ocorreu na Fazenda Lagoa, da Sementes Cambaí, em São Luiz Gonzaga. O anfitrião do evento, o proprietário da Sementes Cambaí, Valdinei Donatto, acredita que a região tem um potencial grande para irrigação e acredita na ampliação do número de propriedades irrigadas. Hoje na região Noroeste e Missões apenas 9% das áreas são irrigadas.   A mesma preocupação sobre o meio ambiente também esteve presente na fala de Donatto, que pede ao governo do Rio Grande do Sul mais agilidade no licenciamento ambiental.

Proprietário da Sementes Cambaí, Valdinei Donato em sua fala no primeiro dia de evento. A Fazenda Lagoa recebeu os produtores e autoridades para discutir sobre a cadeia do milho. Foto: Ana Cláudia Capellari

Estiveram presentes no evento o Governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), o secretário da agricultura, pecuária e irrigação, Ernani Polo e o secretário dos transportes, Pedro Westphalen. Polo destacou o papel do milho na conservação do solo e da água.  Westphalen salientou os esforços do governo do estado em arrumar as estradas da região para que o escoamento da produção seja feito de forma mais efetiva.

De acordo com a Emater/RS-Ascar, grande parte das lavouras estão fase de enchimento de grãos e maturação.  Apesar de a produtividade ter diminuído em razão das chuvas de dezembro, não houve uma alteração que seja considerada significativa.

 

Deixe uma resposta