Mercado de Leite/Juliana Pila

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Balança comercial de lácteos em 2016 e indicadores para 2017

A balança comercial de lácteos terminou 2016 com déficit de US$484,52 milhões, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O déficit aumentou 401,5% em relação a 2015. É o maior desde 2013. Veja a figura 1.

FIGURA 1

Exportação

Em 2016, as exportações brasileiras de produtos lácteos caíram 29,6% na comparação com 2015, totalizando 51,82 mil toneladas.

Esse desempenho sofrível pode ser explicado em função da queda da produção e da alta de preços dos produtos nacionais (menor competitividade no mercado internacional). Além disso, importantes clientes, como a Venezuela, reduziram as compras em 2016.

Importação

As importações aumentaram 80,6% em volume em 2016, comparado com 2015, totalizando 242,57 mil toneladas de lácteos.

A menor disponibilidade interna, com a queda na produção de leite e derivados, e as quedas de preços dos lácteos no mercado internacional na primeira metade do ano, estimularam as compras fora do país.

Indicadores para 2017

Alguns indicativos nos levam a crer que as importações de lácteos (visto como um dos pontos negativos para o setor em 2016) devem ser menores em 2017.

Apesar das recentes quedas nos preços dos produtos no mercado internacional existem sinais de recuperação das cotações, devido a menor oferta mundial. Atualmente, o preço médio do leite em pó está em US$ 3.283,00/t, 50,0% mais que há um ano.

FIGURA 2

Os contratos futuros de leite em pó integral indicam um mercado andando de lado nos próximos meses. No entanto, até agosto os preços variam entre US$3.269,00 e US$3.325,00, patamar acima do verificado em igual período 2016.

TABELA 1

A expectativa de melhora gradual na produção nacional também deve contribuir para o cenário.

Outro fator, o dólar, apesar das incertezas, deve permanecer em patamares altos este ano, o que dificulta a compra de produtos de fora do país. No entanto, este mesmo fator deve favorecer as exportações, visto a maior rentabilidade com a venda do produto.

Ainda com relação aos embarques brasileiros, a Venezuela principal cliente do país, está com sua economia abalada devido à queda no preço do petróleo (questões econômicas), além de questões políticas, reduzindo a demanda por lácteos.

A China, após abertura do mercado para os lácteos brasileiros em setembro de 2015, ainda não comprou volumes significativos. Porém, a expectativa de queda na produção doméstica chinesa deve colaborar para incremento do volume importado pelo país, o que deve contribuir para uma demanda mundial firme.

 

Considerações finais

É difícil fazer previsões para este ano que se inicia, no entanto, apresentamos alguns fatores que terão influência sobre a balança comercial de lácteos.

Para 2017 a conjuntura não deverá ser diferente da de 2016, e a projeção é de que o déficit na balança comercial de lácteos continue, porém, deverá ser menor que o registrado em 2016.

Deixe uma resposta