No 3º trimestre de 2016, abate de suínos e produção de ovos são recordes

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O abate de suínos no país chegou a 10,57 milhões de cabeças, o maior desde 1997. A produção de ovos também bateu o recorde da série histórica, iniciada em 1987, e chegou a 778,82 milhões de dúzias. Já o abate de bovinos recuou em ambas as comparações: -4,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior e -3,5% contra o 3º tri de 2015. O abate de frangos também recuou em ambas as comparações (-1,5% e -2,1%, respectivamente). A aquisição de peças de couro caiu 3,5% em relação ao segundo trimestre de 2016 e cresceu 0,2% na comparação anual. Enquanto isso, a aquisição de leite cresceu 12,1% no trimestre, mas recuou 2,6% no ano. Essas e outras informações estão disponíveis nos resultados do 3º trimestre de 2016 das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais; Trimestral do Leite; Trimestral do Couro e Produção de Ovos de Galinha, cuja publicação completa pode ser acessada aqui.

Abate de bovinos recua 3,5% em relação ao 3º trimestre de 2015

No 3º trimestre de 2016, foram abatidas 7,32 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária. Essa quantidade foi 4,1% menor do que a registrada no trimestre imediatamente anterior e 3,5% inferior que a do 3º trimestre de 2015.

A diferença de 266,27 mil cabeças de bovinos abatidas a menos no 3º trimestre de 2016 em relação à igual período do ano anterior se deve a reduções ocorridas em 18 das 27 Unidades da Federação (UFs) pertencentes à pesquisa. As reduções mais intensas ocorreram em Minas Gerais (-94,45 mil cabeças), São Paulo (-60,80 mil cabeças) e Mato Grosso do Sul (-53,90 mil cabeças). Já os maiores incrementos ocorreram em Rondônia (+104,02 mil cabeças), Rio Grande do Sul (+10,83 mil cabeças) e Acre (+10,59 mil cabeças).

No ranking das UFs, Mato Grosso continua liderando amplamente o abate de bovinos, seguido por seus dois vizinhos do Centro-Oeste: Mato Grosso do Sul e Goiás

Abate de suínos chega ao seu maior nível desde 1997

No 3º trimestre de 2016, foram abatidas 10,57 milhões de cabeças de suínos, com aumentos de 1,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior e de 3,8% na comparação com o mesmo período de 2015. Este resultado é recorde da série histórica iniciada em 1997.

O abate de 389,27 mil cabeças de suínos a mais no 3º trimestre de 2016, em relação a igual período de 2015, foi impulsionado por aumentos em 17 das 25 UFs participantes da pesquisa. São Paulo (+83,78 mil cabeças), Mato Grosso (+83,19 mil cabeças) e Minas Gerais (+71,40 mil cabeças) tiveram as maiores altas.

No ranking das UFs, Santa Catarina continua liderando o abate de suínos, seguido por Rio Grande do Sul e Paraná.

Abate de frangos recuou em ambas as comparações

No 3º trimestre de 2016 foram abatidas 1,47 bilhão de cabeças de frangos. Esse resultado significou quedas de 1,5% em relação ao trimestre imediatamente anterior e de 2,1% na comparação com o mesmo período de 2015.

O abate de 30,82 milhões de cabeças de frangos a menos no 3º trimestre de 2016, em relação a igual período de 2015, foi determinado por quedas em 19 das 25 Unidades da Federação que participaram da pesquisa. As maiores quedas ocorreram em Goiás (-6,21 milhões de cabeças), Santa Catarina (-6,05 milhões de cabeças) e São Paulo (-4,38 milhões de cabeças).

No ranking das UFs, Paraná continua liderando amplamente o abate de frangos, seguido por Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Aquisição de Leite cresce 12,1% no trimestre, mas recua 2,6% no ano

No 3º trimestre de 2016, a aquisição de leite cru realizada pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (federal, estadual ou municipal) foi de 5,84 bilhões de litros. Esse volume foi 12,1% maior que o do trimestre imediatamente anterior e 2,6% menor que o do 3º trimestre de 2015.

A aquisição, em nível nacional, de 153,86 milhões de litros de leite a menos do que no 3º trimestre de 2015 se deve às reduções em 20 das 26 UFs participantes da Pesquisa Trimestral do Leite, lideradas por Minas Gerais (-64,22 milhões de litros), Rio Grande do Sul (-48,82 milhões de litros) e Goiás (-22,83 milhões de litros). Essas reduções foram contrabalançadas por aumentos em outras seis UFs, com destaque para Santa Catarina (+64,31 milhões de litros) e Rio de Janeiro (+13,84 milhões de litros).

No ranking das UFs, Minas Gerais continua liderando amplamente a aquisição de leite, seguida por Rio Grande do Sul e Paraná.

Aquisição de Couro recua 3,5% no trimestre e cresce 0,2% no ano

No 3º trimestre de 2016, os curtumes investigados pela Pesquisa Trimestral do Couro (aqueles que curtiram pelo menos 5.000 unidades inteiras de couro cru bovino por ano) receberam 8,34 milhões de peças inteiras de couro cru bovino. Essa quantidade foi 3,5% menor que a do trimestre anterior e 0,2% acima da registrada no 3º trimestre de 2015.

O aumento da aquisição de 20,07 mil peças inteiras de couro cru, em nível nacional, em relação ao 3o trimestre de 2015, foi impulsionado por incrementos em 10 das 21 Unidades da Federação. Os maiores aumentos foram em Minas Gerais (+132,95 mil peças), Bahia (+78,29 mil peças) e Paraná (+77,28 mil peças). As reduções em destaque foram as de Mato Grosso (-116,44 mil peças), Goiás (-105,19 mil peças) e São Paulo (-76,85 mil peças).

No ranking das UFs, Mato Grosso, líder no abate de bovinos, lidera também a recepção de peles bovinas pelos curtumes, seguido por Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Produção de Ovos de Galinha é a maior desde 1987

A produção de ovos de galinha alcançou 778,82 milhões de dúzias no 3º trimestre de 2016, um recorde na série histórica iniciada em 1987. Esse número foi 2,4% maior que o registrado no trimestre imediatamente anterior e 3,6% acima do 3º trimestre de 2015.

A produção de 27,40 milhões de dúzias de ovos a mais, em nível nacional, em relação ao 3o trimestre de 2015, foi impulsionada por aumentos em 18 das 26 UFs com granjas enquadradas no universo da pesquisa. Ceará (+9,10 milhões de dúzias), São Paulo (+8,31 milhões de dúzias) e Espírito Santo (+4,21 milhões de dúzias) tiveram os maiores aumentos. Houve decréscimos em oito UFs e o Paraná (-4,47 milhões de dúzias), Rio Grande do Sul
(-2,95 milhões de dúzias) e Mato Grosso -(2,15 milhões de dúzias) se destacaram.

No ranking das UFs, São Paulo continua liderando amplamente a produção de ovos, seguido por Minas Gerais e Paraná.

Deixe uma resposta