RETROSPECTIVA: Soja tem ano agitado e de boas oportunidades ao produtor

Qual é o desafio de plantar soja no RS? Foto: Reprodução/Internet
Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado de soja teve um ano agitado em 2016. A temporada começou com perdas produtivas no Brasil e na Argentina devido ao efeito do fenômeno El Niño. “Ambos os países não atingiram seu potencial produtivo, limitando a oferta sulamericana no mercado internacional a partir de fevereiro”, lembra o analista de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Gutierrez Roque.

No Brasil, as perdas vieram principalmente da região Norte/Nordeste do país, que sofreu com a estiagem ao longo da maior parte do desenvolvimento das lavouras. Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia (MATOPIBA) registraram fortes quebras em suas safras. Na faixa central do país, o Mato Grosso também registrou perdas, com a estiagem atingindo o Médio-Norte do estado. No Sul, o excesso de chuvas foi que impediu uma produção maior no segundo estado produtor do país, o Paraná. “O volume total produzido pelo país só não foi menor porque houve registro de recordes de produtividades em estados como Rio Grande do Sul, Goiás e Minas Gerais, o que garantiu uma safra de 97,15 milhões de toneladas para o país”, pondera Gutierrez.

Na Argentina, as perdas ocorreram pelo excesso de chuvas, que trouxe, além de umidade excessiva para as lavouras, grandes inundações em áreas próximas a rios, trazendo um estrago bastante amplo aos produtores argentinos.

A quebra na safra sulamericana trouxe força fundamental para a Bolsa de Chicago, que vinha lateralizada entre as linhas de US$ 8,60 e US$ 9,25 por bushel desde agosto de 2015. “A partir de março de 2016, o mercado ganhou fôlego”, comenta o analista. A possibilidade de um recuo na área de soja nos EUA que seria semeada no segundo semestre do ano também trouxe força para as valorizações. Os contratos em Chicago voltaram a trabalhar acima da linha US$ 11,00 por bushel.

No mercado interno brasileiro, a combinação de Chicago e dólar valorizados, aliada à menor oferta de soja disponível, levou os preços da saca a patamares recordes em um ambiente de exportações aceleradas.

A partir de julho, o mercado voltava toda sua atenção para a nova safra dos Estados Unidos. “O esperado recuo na área de soja não ocorreu”, ressalta. Pelo contrário: a área foi novamente expandida, levando o potencial produtivo do país a níveis recordes. O clima ao longo de praticamente toda a semeadura, desenvolvimento das lavouras e colheita foi positivo, culminando em condições excelentes para a safra. “Todos os sinais indicavam que os EUA, inevitavelmente, iriam colher uma supersafra”, explica. E foi o que ocorreu. Os EUA colheram a maior safra de sua história. “Chicago, naturalmente, voltou a trabalhar em patamares mais baixos, embora tenha mantido suporte em US$ 10,00 amparado por um demanda internacional aquecida”, destaca.

No mercado interno, os preços recuaram no último trimestre do ano frente à um Chicago mais fraco e dólar menos valorizado, mas a maior parte da safra disponível já havia sido negociada. No geral, embora a quebra da safra brasileira tenha trazido importantes problemas financeiros às regiões afetadas, a venda de boa parte da produção brasileira a níveis de preços interessantes, aliada a uma demanda de exportação aquecida, trouxe boas oportunidades para os produtores ao longo do ano.

Deixe uma resposta