Redução de custos garante produtores na atividade leiteira

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Garantir a qualidade do leite produzido pelas pequenas propriedades com genética de ponta e redução de custos, permitindo aumento de produção e produtividade. Esta foi a mensagem deixada em encontro realizado na última sexta-feira, dia 21 de outubro, organizado pelo projeto Pró-Leite Noroeste, realizado pela Fundação de Capacitação e Desenvolvimento (Funcap) em parceria com entidades como a Embrapa, para fomentar a criação de um Arranjo Produtivo Local (APL) na região. Na ocasião, técnicos e produtores puderam conhecer o sistema de produção de propriedades rurais atendidas pelo programa.

Uma delas foi a do produtor Valdir Justen, de Boa Vista do Buricá (RS). Em 18 hectares, onde vive com a mulher e dois filhos, ele produz cerca de 18 litros por dia para cada vaca. No início do projeto eram 20 animais. Hoje a propriedade já conta com 35 exemplares e a meta é chegar a 40. Justen revela que em alguns meses, aplicando a proposta, conseguiu até R$ 1,00 de lucro por litro de leite vendido. “Estamos bem satisfeitos com o projeto. O que queríamos fazer na propriedade, começamos a fazer aos poucos”, salienta.

A Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) esteve representada no evento com o seu presidente, Wlademir Dall’Bosco, além de técnicos e produtores de laticínios associados. Para o dirigente, o modelo pode ser adotado na relação entre as pequenas e médias indústrias e pequenos produtores fornecedores da matéria-prima. “A parte importante do projeto é que trabalha em cima de custos. O produtor precisa saber exatamente o quanto custa o litro de leite e produzir com um custo aceitável. Não adianta ele produzir leite com custo elevado porque não conseguimos mudar o comportamento do mercado. Aqui ele consegue trabalhar com um custo que não ultrapasse os R$ 0,80”, ressalta.

Entre os fatores destacados por Dall’Bosco para a redução dos custos está a forma de alimentação dos animais, que é determinante para o controle dos gastos. A alimentação está no campo, com o gado ficando cada dia dentro de um piquete e com 85% de sua alimentação no pasto e eliminando custos maiores com silagem e ração. “Para as pequenas propriedades, produtores e indústrias é importante trabalhar nesta linha, com tecnologia e qualidade garantindo a redução de custos para poder competir no mercado”, observa o dirigente.

Segundo Diorgenes Albring, coordenador do Funcap, entidade que faz a gestão da APL Leite Fronteira Noroeste, a proposta foi retomada em 2012, depois de uma primeira experiência iniciada em 1992 quando três mil produtores foram profissionalizados. A região de Santa Rosa (RS), onde está instalada a bacia leiteira do projeto, que compreende 20 municípios, congrega 9,8 mil produtores de leite. Mas o dirigente acredita que pelo menos 10% já estão deixando a atividade.

No projeto Pró-Leite são atendidas 250 propriedades que estão focadas no aumento de produtividade e redução de custos. Albring afirma que a meta é dobrar a produção e que muitas ainda estão no caminho certo para alcançar estes resultados. “A maioria dos produtores já aumentou em 80% a produção das propriedades, enquanto outras estão em torno de 45% a 50%. Parece que é pouco, mas o foco principal é a redução de custo. Hoje a maioria das propriedades tem um custo de R$ 1,00 o litro, mas temos propriedades com R$ 0,80, R$ 0,70 e até R$ 0,45 por litro”, revela.

 

Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Deixe uma resposta