Artigo – Agrotóxicos são necessários ou não?

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

*José Otavio Menten

A agricultura brasileira tem sua reputação frequentemente questionada, mas é necessário que prevaleça a verdade, com base em fatos comprovados. O Brasil é líder na produção e na exportação de soja, milho, cana, algodão, laranja, etc. Essa liderança se deu em paralelo ao desenvolvimento social do campo e maior consciência e respeito ambiental. Mas ainda há muitos desafios e um deles tem sido a convivência e redução dos danos causados pelas pragas agrícolas (insetos, doenças e plantas daninhas).

Essas pragas são controladas utilizando todas as medidas disponíveis, incluindo métodos genéticos (resistência das plantas), biológicos (inimigos naturais), culturais (rotação de culturas, erradicação, vazio sanitário), legislativos (evitar introdução de novas pragas) e químicos (produtos fitossanitários/defensivos). O manejo químico com produtos fitossanitários é um dos mais utilizados, por sua eficiência e segurança. Sem eles, a produção agrícola sofreria redução da ordem de 50%. A boa notícia é que esses produtos são extremamente seguros, pois são regulados por três órgãos do País: Ministério da Agricultura, Anvisa e Ibama.

Além da segurança do produto, é fundamental a educação e treinamento dos usuários para que as boas práticas agrícolas sejam adotadas. Por isso, milhares de agricultores são treinados anualmente pelas empresas e instituições rurais. Seguir rigorosamente a receita agronômica diminui a contaminação dos alimentos. Isso tem contribuído para que a qualidade dos produtos ofertados à população seja adequada, o que é confirmado pelo monitoramento dos limites máximos de resíduos (LMRS).

Por se tratar de um assunto sensível, especialistas de ocasião, mídia sensacionalista e outros acabam por emitir opiniões infundadas ou fundamentadas em pesquisas de má qualidade. Existem insinuações relacionando o uso de produtos fitossanitários à maior incidência de câncer, malformação congênita, resíduos em leite materno, etc., sem demonstração de nexo causal. Não há evidências científicas para suportar tais hipóteses. O assunto exige tratamento responsável.

 

José Otavio Menten é diretor do Conselho Científico Para Agricultura Sustentável (CCAS) e professor associado da ESALQ-USP.

 

Informações O POVO online

Deixe uma resposta