Demanda decepciona e suíno encerra setembro com preços mais baixos

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de carne suína chega ao último dia de setembro consolidando um quadro de queda nas cotações do quilo vivo. De acordo com o analista Allan Maia, a demanda ficou abaixo da expectativa ao longo de do mês, o que contribuiu para uma retração dos preços em grande parte dos estados consultados por SAFRAS & Mercado.

A média de preços pagos aos produtores pelo quilo vivo do suíno caiu 0,95% no Brasil, de R$ 3,56 para R$ 3,53. No atacado os preços recuaram 1,6% para a carcaça, de R$ 6,23 para R$ 6,13. No pernil os preços tiveram retração de 0,89%, de R$ 7,25 para R$ 7,19. “Diferentemente do que vinha ocorrendo ao longo do ano, os preços tiveram queda mesmo durante a primeira quinzena. Na segunda metade do mês as oscilações foram menores”, comenta.

Outro ponto de preocupação ao longo de setembro foi o custo de produção, que seguiu muito elevado, e ainda ameaça os pequenos produtores. “Infelizmente esse cenário não deve mudar no curto prazo, embora os reajustes nos preços sejam fundamentais para a recuperação das margens operacionais”, ressalta.

Nas exportações, Maia informa que o desempenho de setembro deve ser bastante positivo novamente. “Os embarques totais de carne suína devem ficar próximos de 65 mil toneladas, o que mantém a expectativa de embarques recordes neste ano”, pontua.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 76,00 nesta quinta-feira (29), ante R$ 74,00 do começo de setembro, subindo 2,7%. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo caiu de R$ 3,06 para R$ 3,05, enquanto no interior a cotação permaneceu em R$ 3,60. Em Santa Catarina o preço do quilo continuou em R$ 3,15 na integração. No interior, a cotação retrocedeu de R$ 3,55 para R$ 3,45. No Paraná o quilo vivo permaneceu em R$ 3,65 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo caiu de R$ 3,30 para R$ 3,27.

No Mato Grosso do Sul a cotação recuou de R$ 3,10 para R$ 3,04 na integração, enquanto em Campo Grande o preço caiu de R$ 3,42 para R$ 3,41. Em Goiânia, o preço teve queda de R$ 4,00 para R$ 3,95. No interior de Minas Gerais o quilo recuou de R$ 4,10 para R$ 4,00. No mercado independente mineiro a cotação baixou de R$ 3,90 para R$ 3,80. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis retrocedeu de R$ 3,37 para R$ 3,35. Já na integração do estado a cotação avançou de R$ 3,05 para R$ 3,08.

Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Deixe uma resposta