Chegada da primavera estimula polinizadores e aumento da produção de culturas agrícolas

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O período mais bonito e florido do ano começou. A estação, que tem como principal característica a formação de belas paisagens, é o pico das floradas e o início da época de reprodução de muitas espécies de árvores e plantas, além de promover o aumento das colônias de polinizadores. Em algumas culturas, a polinização possibilita a elevação de até 95% na produção.

Não é à toa que a primavera marca o período mais feliz do ano para o apicultor, meliponicultor e agricultor. “Nessa época os criadores levam suas colônias a determinadas plantações, como as de café e laranja, para que suas abelhas colham néctar, polinizem as flores e, consequentemente, produzam mel”, explica Cristiano Menezes, Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental e conselheiro da A.B.E.L.H.A.  “O agricultor, por sua vez, obtém aumento na colheita e garante frutos de maior qualidade”, completa.

Esse fenômeno acontece porque a partir da primavera os polinizadores têm alimento abundante e temperaturas agradáveis até fim do outono, em maio. Segundo o artigo “Pollinator dependence of Brazilian crops and economic value of pollination service” (A dependência de polinizadores das culturas agrícolas brasileiras e o valor econômico dos serviços de polinização), da pesquisadora Tereza Cristina Giannini, isso possibilitará que a produção de café, soja, algodão, morango e laranja aumente cerca de 25%. Já a produção de maçã pode crescer até 65% e a de melão, aproximadamente 95%.

Em 2016, a primavera no Henisfério Sul começou na última quinta-feira, às 11h21, e termina dia 21 de dezembro.

 

Sobre a A.B.E.L.H.A.

A Associação Brasileira de Estudo das Abelhas (A.B.E.L.H.A.) é uma organização sem fins lucrativos, cuja principal missão é reunir, produzir e divulgar informações – com base científica e a colaboração de uma rede de parceiros – que visem à conservação das abelhas e outros polinizadores no Brasil, promovendo seu papel na biodiversidade e a convivência harmônica e sustentável com as diferentes culturas agrícolas.