Preços do frango seguem acomodados diante de demanda fraca

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de carne de frango encerrou a semana com preços inalterados para o quilo vivo e em elevação para os cortes congelados e resfriados. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o mercado de aves não apresentou significativas novidades no decorrer dos últimos dias, o que garantiu preços acomodados em um ambiente de fracos negócios. “Esse desempenho esteve de acordo com a realidade da segunda quinzena, que é de demanda fraca”, afirma.

Iglesias informa que o custo de produção do frango vivo arrefeceu um pouco e gira ao redor de R$ 2,75 para o quilo em São Paulo, garantindo uma certa margem ao produtor, embora ainda limitada. “O preço do milho retrocedeu nos últimos dias, mas comparado a anos anteriores, segue muito elevado”, salienta.

No atacado e na distribuição os preços apresentaram mudanças no mercado paulista durante a semana. Para os produtos congelados, o quilo do peito na distribuição subiu de R$ 4,70 para R$ 4,75, o quilo da asa de R$ 6,90 para R$ 6,95 e o quilo da coxa de R$ 4,70 para R$ 4,80. No atacado, o quilo do peito subiu de R$ 4,50 para R$ 4,65, o da asa de R$ 6,70 para R$ 6,75 e o da coxa de R$ 4,50 para R$ 4,60.

Nos cortes resfriados, Iglesias disse que o preço do quilo peito na distribuição seguiu em R$ 5,00, o da coxa continuou em R$ 5,00 e o quilo da asa passou de R$ 7,00 para R$ 7,05 o quilo. No atacado, o preço do quilo avançou de R$ 4,80 para R$ 4,90, o quilo da coxa seguiu em R$ 4,80 e o do quilo da asa aumentou de R$ 6,80 para R$ 6,85.

Nas exportações, Iglesias sinaliza que o desempenho do frango sinaliza melhora em setembro, devendo encerrar com volumes embarcados entre 360 e 370 mil toneladas. “O resultado não irá repetir as 400 mil toneladas registradas em meses anteriores, mas pode ser considerado bom, caso de confirme”, alerta.

Uma boa notícia na semana, segundo Iglesias, foi o fechamento de um acordo, por parte do Brasil, para iniciar as exportações de carne bovina, de frango e suína para a Malásia, mercado que é bastante interessante em termos de demanda. “Esse é um mercado bem interessante para o setor avícola”, sinaliza Iglesias.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que em Minas Gerais a cotação do quilo vivo seguiu em R$ 3,30. Em São Paulo o quilo vivo continuou em R$ 3,10.

Na integração catarinense a cotação do frango permaneceu em R$ 2,95. No oeste do Paraná o preço foi mantido em R$ 2,95. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo continuou em R$ 3,00.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango foi mantido em R$ 3,20. No Distrito Federal o quilo vivo foi cotado a R$ 3,30, estável frente à semana anterior. Em Goiás o quilo vivo seguiu em R$ 3,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 4,20. No Ceará a cotação do quilo vivo seguiu em R$ 3,80, enquanto no Pará o quilo vivo foi mantido em R$ 4,20.

Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS