Brasil inicia plantio de soja com ritmo lento de negócios

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

As negociações com soja no Brasil, tanto para produto colhido em 2015/16 como para vendas antecipadas da temporada 2016/1, seguem arrastadas. No último mês, a comercialização pouco evoluiu, reflexo da queda dos preços no mercado interno.

Os produtores brasileiros de soja já negociaram, de forma antecipada, 20% da safra futura de soja 2016/17. O levantamento é de SAFRAS & Mercado e refere-se ao período até 9 de setembro. No relatório anterior, de 5 de agosto, o número era de 18%.

Em igual período do ano passado, a comercialização antecipada da safra futura envolvia 29% e a média para o período é de 20%. Levando-se em conta uma safra 2016/17 estimada em 103,364 milhões de toneladas, o volume de soja comprometido antecipadamente chega a 21,037 milhões de toneladas.

Com as quedas acumuladas em Chicago e no câmbio, que voltaram a trabalhar abaixo da linha de US$ 10,00 por bushel e RS$ 3,30, respectivamente, a ponta vendedora voltou a retrair-se. “Além disso, os produtores estão com as atenções voltadas para os trabalhos de plantio da nova safra, que começaram nesta semana em algumas regiões e deverão iniciar nas próximas semanas nas demais”, avalia o analista de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Roque.

Safra 2015/16

A comercialização da safra 2015/16 de soja do Brasil já envolve 89% da produção projetada, conforme relatório de SAFRAS & Mercado, com dados recolhidos até 9 de setembro. No relatório anterior, de 5 de agosto, o número era de 86%.

Em igual período do ano passado, a negociação envolvia 87% e a média para o período é de 86%. Levando-se em conta uma safra estimada em 97,15 milhões de toneladas, o total de soja já negociado é de 86,852 milhões de toneladas.

Plantio de soja

Passado o vazio sanitário em alguns estados, os produtores iniciaram o plantio da nova safra no Brasil a partir desta semana. O começo do plantio não apresenta o melhor dos quadros para os produtores. Os preços domésticos perderam força. No final de junho, a saca chegou a bater na casa de R$ 100,00 nos portos. Atualmente, os preços em Rio Grande e em Paranaguá se aproxima de R$ 80,00, o que diminuiu acentuadamente o ritmo dos negócios.

A reação dos preços no curto prazo parece remota. Os contratos futuros em Chicago operam abaixo de US$ 10,00 por bushel. Os americanos devem colher a maior safra de sua história, projetada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos em 114 milhões de toneladas.

Os produtores brasileiros de soja deverão cultivar 33,488 milhões de hectares em 2016/17, a maior área da história, crescendo 0,9% sobre o total semeado no ano passado, de 33,181 milhões. A projeção faz parte do levantamento de intenção de plantio de SAFRAS & Mercado.

Com um possível aumento de produtividade, de 2.943 quilos para 3.101 quilos por hectare, a produção nacional tem chance de superar a casa de 100 milhões de toneladas, sendo estimada inicialmente em 103,364 milhões de toneladas, 6,4% superior à obtida em 2015/16, de 97,150 milhões de toneladas.

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS