Proximidade da colheita de trigo no PR começa a aquecer mercado interno

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de trigo se aproxima do fim de mais uma semana com baixo ritmo de comercialização. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, os negócios são pontuais e em volumes reduzidos, devido à baixa disponibilidade do produto no âmbito doméstico.

“No Paraná, houve leve elevação na liquidez do mercado, em decorrência dos produtores que voltam a ofertar o cereal de safra velha para abrir espaços nos seus armazéns para o produto proveniente da safra nova. Esta elevação da oferta, mesmo que sutil, foi suficiente para retrações nos referenciais atuais no estado”. Conforme Pinheiro, no Rio Grande do Sul, com uma disponibilidade do cereal menor ainda, e com uma janela de colheita mais distante, o mercado segue com baixa liquidez e preços estáveis.

Conforme a Emater/RS, a cultura do trigo no estado apresenta desenvolvimento normal, bom stand de plantas e ótimo estado fitossanitário. Isso se deve à ocorrência de fatores climáticos favoráveis nesta fase inicial de desenvolvimento. O período frio permitiu um maior perfilhamento, e a menor frequência de chuvas favoreceu uma baixa incidência de doenças, como as manchas foliares e a ferrugem.

No Paraná, o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, informou, em seu relatório mensal, que a produção de trigo do estado deve ficar em 3,302 milhões de toneladas na safra 2015/16, 1% acima das 3,285 milhões de toneladas colhidas na safra 2014/15. A comercialização atinge 4%.

Conforme o Deral, 95% das lavouras estão em boas condições e 5% em situação média, divididas entre as fases de crescimento vegetativo (16%), floração (32%), frutificação (44%) e maturação (8%). O rendimento médio deve ficar em 3.052 quilos por hectare na safra 2015/16, 25% acima dos 2.248 quilos obtidos na safra anterior (2014/15).

CIG

O Conselho Internacional de Grãos (CIG) elevou sua projeção para a safra mundial de grãos em 2016/17 pelo quinto mês consecutivo. O CIG também elevou a projeção para a safra de trigo, de 735 para 743 milhões de toneladas. A melhor colheita na Rússia e demais países da região do Mar Negro foi equilibrada pelas perdas na França e na Alemanha.

O Conselho estimou a safra global de grãos em 2,069 bilhões de toneladas, alta de 23 milhões de toneladas ante a última previsão. O recorde atual, da safra 2014/15, é de 2,047 bilhões de toneladas. Os estoques finais mundiais são estimados em 492 milhões de toneladas, acima do recorde registrado na safra passada, de 469 milhões de toneladas.

Deixe uma resposta