Setrem apresenta Curso de Tecnologia em Laticínios

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A reunião de associados do Sindilat, realizada nesta segunda-feira (27/6), contou com apresentação das ações da Setrem e do Arranjo Produtivo Local do Leite Fronteira Noroeste (APL Leite). Na ocasião, foi apresentado o novo Curso Superior de Tecnologia em Laticínios, que está em seu terceiro semestre e já conta com 30 alunos. As turmas do curso são anuais. A professora da Setrem Vanessa Gass destacou o objetivo do projeto, que é oferecer mão de obra altamente qualificada ao mercado. Na faculdade, há um tambo e uma agroindústria com capacidade de processamento de até 600 litros dia, o que permite aos estudantes acompanharem todo o processo produtivo no dia a dia.  A Setrem é uma instituição filantrópica que dispõe de dez cursos superiores, entre eles o de Tecnologia em Laticínios, cujo custo da mensalidade fica próximo a R$ 700,00.

O curso tem duração de 3 anos e meio (incluindo estágio) e busca formar profissionais que vão atuar desde a captação da matéria-prima até a gestão das empresas. As aulas são realizadas sempre à noite, o que permite atender a profissionais que já atuam no mercado ou que têm atividades laborais durante o dia. “A ideia é ofertar mão-de-obra qualificada para o setor”, frisou. O diretor geral da Setrem, Flávio Magdas, pontuou que o curso surgiu a partir da demanda das próprias indústrias da região e que foi inspirado em modelos aplicados em Minas Gerais. Um dos destaques do currículo é o projeto Inovalac, que estimula os alunos a desenvolverem novos produtos. Além de visitas técnicas e de campo, a Setrem também realiza o Simpósio Estadual de Derivados Lácteos.  

APL Leite
Após visitas a 20 municípios da Fronteira Noroeste do RS, o APL Leite pretende implementar grupos de trabalho (GTs) para debater os desafios do setor na Fronteira Noroeste nos próximos meses.  A ideia é organizar a cadeia produtiva do leite na região. Os GTs contarão com representantes do poder público, instituições de ensino e pesquisa, empresas e instituições financeiras. O primeiro GT será focado na ação dos produtores. “Queremos que as indústrias unam-se ao projeto para que cresçamos sem lacunas e todos de uma forma unida”, pontuou o gestor do APL, Diórgenes Albring.

Deixe uma resposta