Milho registra quedas nos preços com aumento da oferta com safrinha

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de milho teve mais uma semana de quedas nas cotações. A oferta vai aumentando com a evolução da colheita da safrinha, com mais milho novo chegando para a comercialização, e as cotações vão cedendo de forma significativa em muitas regiões do Brasil.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a intenção de compra diminui sensivelmente após os compradores conseguirem um bom posicionamento em seus estoques. “Em alguns estados do país, a oferta avança, o que deve redundar em preços ainda mais baixos”, comenta.

A previsão de clima firme na próxima semana favorece a evolução da colheita, principalmente no Paraná. “Com isso, a perspectiva é por pressão de oferta na próxima semana. Compradores assumem um posicionamento mais cauteloso no mercado interno, aguardando por nova queda das indicações no curto prazo”, afirma.

No balanço dos últimos sete dias, o preço do milho em Campinas/CIF caiu de R$ 51,50 para R$ 44,00 a saca de 60 quilos na base de venda. Na região Mogiana paulista, as cotações baixaram de R$ 49,00 para R$ 41,50. Em Cascavel, no Paraná, o preço recuou de R$ 46,00 para R$ 42,00 a saca. Já no Rio Grande do Sul, em Erechim, as cotações seguiram em R$ 60,00 a saca.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu levantamento mensal, que a produção de milho segunda safra do Paraná deve ficar em 11,408 milhões de toneladas na safra 2015/16, 1% abaixo das 11,57 milhões de toneladas colhidas na safrinha 2014/15. 

A colheita atinge 10% da área estimada em 2,192 milhões de hectares de milho, que deve avançar 14% frente aos 1,928 milhão de hectares plantados na safrinha. Conforme o Deral, 63% das lavouras estão em boas condições, 29% em situação média e 8% em situação ruim, divididas entre as fases de floração (3%), frutificação (31%) e maturação (66%). A comercialização atinge 29% até o momento.

Deixe uma resposta