Trigo tem menor liquidez com baixa oferta e substituto mais barato

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de trigo teve redução da liquidez nesta semana. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, os principais motivos dessa diminuição na comercialização são a baixa oferta interna de trigo disponível e o menor preço do milho, que é mais vantajoso à indústria de ração animal.

“Em algumas regiões paranaenses, o trigo já deixou de ser atrativo em comparação ao milho, e desestimula a procura pelas indústrias de ração. Oportunidade para os moinhos, que vinham, nas ultimas semanas, como principal alternativa, buscando matéria-prima nos países vizinho”, analisa Pinheiro.

No Rio Grande do Sul, conforme a Emater/RS, com o clima favorável durante a última semana, os produtores aproveitaram para intensificar a semeadura da cultura, avançando muito a área plantada com trigo, atingindo 35% do projetado para o Estado. Importantes regiões produtoras como Santa Rosa e Ijuí já atingem percentuais mais elevados, de 71% e 65% respectivamente.

Com a previsão de tempo seco para os próximos dias a tendência é de se intensificar o plantio, podendo ser concluído brevemente nessas regiões. O frio e os dias ensolarados contribuem para o desenvolvimento da cultura, que em muitos casos apresenta lavouras com bom perfilhamento, sendo que as fortes geadas registradas recentemente causaram a queima de plantas invasoras e de culturas remanescentes.

No Paraná, o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou que o plantio atinge 76% da área estimada de 1,148 milhão de hectares de trigo, que deve recuar 15% frente aos 1,346 milhão de hectares plantados na temporada anterior. Conforme o Deral, 99% das lavouras estão em boas condições e 1% em situação média, divididas entre as fases de germinação (8%) e crescimento vegetativo (92%).

A produção de trigo Paraná deve ficar em 3,471 milhões de toneladas na safra 2015/16, 6% acima das 3,285 milhões de toneladas colhidas na safra 2014/15. O rendimento médio deve ficar em 3.023 quilos por hectare na safra 2015/16, 23% acima dos 2.248 quilos obtidos na safra anterior (2014/15).

Deixe uma resposta