Mercado de frango reage um pouco, mas custo ainda preocupa

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de carne de frango apresentou reação de preços neste começo de junho para o quilo vivo, muito embora ainda haja preocupação com a elevação significativa dos custos de produção. “O preço finalmente reagiu, mas ele ainda está abaixo dos custos. Logo, a continuidade do movimento de alta é um fator chave para recuperar a margem dos produtores”, alerta o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

Iglesias afirma que no segundo semestre o setor já teme um novo vilão nos custos: o farelo de soja, por conta da influência de preços no mercado internacional. “No momento o custo de produção do quilo vivo em São Paulo oscila entre R$ 2,75 e R$ 2,80, mas ele pode subir ainda mais. O alento é que o preço do milho tende a cair daqui para frente, com o avanço da colheita da safrinha, embora o percentual tende a ser menor que o registrado em outros anos, em face das perdas na produção por seca e, agora, por geadas”, avalia.

Na semana, Iglesias destaca que no atacado e na distribuição os preços tiveram estabilidade no mercado paulista. Para os produtos congelados, o quilo do peito na distribuição foi cotado a R$ 4,00, o quilo da asa em R$ 6,30 e o quilo da coxa em R$ 3,75. No atacado, o quilo do peito foi mantido em R$ 3,85, o da asa em R$ 6,00 e o da coxa em R$ 3,65.

Nos cortes resfriados, ele salienta que os preços também apresentaram estabilidade. O preço do quilo peito na distribuição ficou em R$ 4,25, o da coxa em R$ 3,85 e o da asa em R$ 6,40. No atacado, o preço do quilo do continuou em R$ 4,10, o quilo da coxa em R$ 3,75 e o do quilo da asa em R$ 6,10.

Iglesias sinaliza que as exportações seguem exercendo um bom desempenho. “A expectativa é de que sejam embarcadas 350 mil toneladas ao longo de junho, volume importante para manter a oferta interna controlada”, analisa.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que em Minas Gerais a cotação do quilo vivo subiu de R$ 2,50 para R$ 2,75. Em São Paulo o quilo vivo avançou de R$ 2,50 para R$ 2,65.

Na integração catarinense a cotação do frango aumentou de R$ 2,40 para R$ 2,50. No oeste do Paraná o preço teve alta de dez centavos, de R$ 2,40 para R$ 2,50. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 2,45 para R$ 2,55.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 2,40 para R$ 2,60. No Distrito Federal o quilo vivo foi cotado a R$ 2,75, ante R$ 2,50 da semana anterior. Em Goiás o quilo vivo passou de R$ 2,45 para R$ 2,65.

Em Pernambuco, o quilo vivo seguiu em R$ 4,00. No Ceará a cotação do quilo vivo permaneceu em R$ 3,50, enquanto no Pará o quilo vivo continuou em R$ 4,00.

Deixe uma resposta