Programas de crédito viabilizam sucessão rural

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A sucessão rural tem sido viabilizada pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário – Nossa Primeira Terra, que tem como objetivo facilitar a permanência dos jovens no campo e pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

O Nossa Primeira Terra-NPT é destinado a jovens rurais cujo perfil agricultor seja ser filho ou filha de agricultores, estudantes de escolas agrotécnicas e centro familiares de formação por alternância; ter renda familiar anual de até R$ 30 mil e patrimônio anual inferior a R$ 60 mil; comprovar experiência de cinco anos em atividades agrícolas e rurais, podendo contar o tempo de escola (os sindicatos de Trabalhadores Rurais e da Agricultura Familiar são responsáveis pela verificação e declaração de elegibilidade dos candidatos ao crédito). O crédito pode ser de até R$ 80 mil para a compra do imóvel; todo o recurso é reembolsável, tanto de SAT (compra da terra) quanto de SIB (infraestrutura básica); dispõe-se de recurso de R$ 7,5 mil para Ater, por cinco anos, com parcelas anuais de R$ 1,5 mil por beneficiário; o acesso é individual; há até 35 anos para quitar o financiamento, incluindo os três anos de carência; as taxas de juros são de 1,0% ao ano; existe um bônus de até 30% para quem efetuar os pagamentos em dia e de 10% para terra negociada abaixo do preço de mercado.

O Pronaf, outro programa de crédito, tem por finalidade financiar projetos individuais ou coletivos de agricultores familiares e assentados da reforma agrária. O acesso ao Pronaf inicia-se na discussão da família sobre a necessidade do crédito, seja ele para o custeio da safra ou atividade agroindustrial, seja para o investimento em máquinas, equipamentos ou infraestrutura de produção e serviços agropecuários ou não agropecuários. Para financiamento das atividades, é necessário que o agricultor possua Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) e um projeto técnico. Após a decisão do que financiar, a família deve procurar o sindicato rural ou a Emater para obtenção da DAP, que será emitida segundo a renda anual e as atividades exploradas, direcionando o agricultor para as linhas específicas de crédito a que tem direito. O agricultor deve procurar a empresa de Ater do município (pública ou privada), para elaborar o Projeto Técnico de Financiamento. O agricultor deverá procurar um banco que concede financiamento no âmbito do Pronaf. Para aprovação do financiamento, o agente financeiro avalia a viabilidade do p

Deixe uma resposta