Dólar cai mais de 10%, pressiona preços da soja e trava mercado

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Os preços da soja perderam força ao longo de março no Brasil, acompanhando a forte queda do dólar frente ao real. Nem mesmo a recuperação dos contratos futuros em Chicago foi suficiente para amenizar o peso do câmbio sobre a formação dos preços domésticos. A movimentação foi prejudicada e apenas negócios pontuais foram realizados.

A saca de 60 quilos recuou de R$ 75,50 para R$ 70,00 entre 29 de fevereiro e 31 de março em Passo Fundo (RS). Em Cascavel (PR), o preços passou de R$ 69,50 para R$ 70,00.

Em Rondonópolis (MT), a cotação caiu de R$ 65,00 para R$ 64,00. Em Dourados (MS), o preço baixou de R$ 64,00 para R$ 60,00. Em Rio Verde (GO), a saca recuou de R$ 65,00 para R$ 63,00.

O câmbio foi o protagonista do mercado de soja em março. A moeda americana caiu mais de 10% no período, despencando da casa de R$ 4,00 para R$ 3,596 no fechamento do mês. Dois fatores foram responsáveis pela queda da moeda: o desempenho no exterior e a aposta do mercado no impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Dólar em baixa significa perda de competitividade para a soja brasileira e dificuldade nas exportações. O reflexo da queda do dólar frente a outra moedas também foi sentido em Chicago. Na avaliação dos operadores, a commodity americana é mais atrativa aos compradores no momento, o que definiu a valorização dos preços futuros.

Os contratos com vencimento em maio subiram 5,5% no mês na Bolsa de Mercadorias de Chicago. A posição abriu o mês a US$ 8,63 1/2 e fechou na casa de US$ 9,10 3/4. O mercado ganhou novo fator de alta com o relatório de intenção de plantio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que indicou área abaixo do ano anterior e também da expectativa do mercado.

USDA

A área plantada com soja nos Estados Unidos em 2016 deverá totalizar 82,2 milhões de acres, conforme o relatório. Se confirmada esta área, o recuo na comparação com o ano anterior é inferior a 1%. Em 2015, os americanos cultivaram 82,7 milhões de acres.

Dos 31 estados produtores, em 23 deles a área deverá recuar ou ficar estabilizada na comparação com o ano anterior. O número do USDA ficou abaixo da expectativa do mercado, que apostava em um plantio em torno de 83 milhões de acres.

Os estoques trimestrais de soja em grão dos Estados Unidos, na posição 1o de março, totalizaram 1,53 bilhão de bushels.O volume estocado subiu 15% na comparação com igual período de 2015.

O número ficou abaixo da expectativa do mercado, de 1,57 bilhão de bushels. Do total, 728 milhões de bushels estão armazenados com os produtores, com ganho de 19%. Os estoques fora das fazendas somam 803 milhões de bushels, com alta de 12%.

Deixe uma resposta