(54) 3632 5485 contato@destaquerural.com.br

Aumenta o número de expositores da agroindústria familiar

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Pavilhão registrou crescimento de 28% entre os anos de 2015 e 2016, passando de 172 para 220 expositores

Célia Souza vem de São Lourenço do Sul para expor seus produtos
Célia Souza vem de São Lourenço do Sul para expor seus produtos

Quando Célia sai de São Lourenço do Sul, cidade em que mora, e enfrenta as seis horas de viagem até Não-Me-Toque, já sabe que vai valer a pena. Há três anos ela abriu sua agroindústria familiar e começou a produzir porongos decorados. Desde então, passou a conviver com a rotina de feiras, dividindo o tempo entre a produção de leite e soja e o artesanato. “Eu fiz um curso, gostei, comecei a plantar e a produzir. Agora já dou aula também. Meu marido planta e corta para mim os porongos e eu faço a pintura”, conta Célia Souza.

De 2015 para 2016 o número de expositores do pavilhão da agroindústria familiar passou de 172 para 220, um crescimento de 28%. Dulce Weber já participa da feira há três anos. A empresa produz salame e copa e divide espaço com outros tantos expositores. Dulce, que tem 59 anos, explica que as vendas já foram melhores. “As vendas são boas. Não são melhores porque são muitas empresas vendendo. Mas a expectativa para o restante dos dias é positiva”.

 

Tudo natural

Luciano Cestari é um dos sócios da Agroindústria Familiar Guerra. A empresa está expondo nesta edição da Expodireto geleia e suco natural vendido em copos e em litros. Os produtos são naturais, sem adição de conservantes. “Somos de Tenente Portela, distante cerca de 300 quilômetros de Não-Me-Toque. É o terceiro ano que viemos para cá e tem valido muito a pena. A feira é muito boa”. A empresa está fazendo quatro anos em agosto. “Trabalhar com isso é muito vantajoso. Você trabalha com o próprio negócio, o que é muito diferente de trabalhar para os outros. Nós ainda temos a agricultura, mas a agroindústria é um agregado a mais”, explica.

Segundo Luciano, os anos de feira já fidelizaram clientes. “Tem pessoas que passam e lembram. ‘Eu comprei esse suco de vocês no ano passado, quero de novo’”. De acordo com ele, o movimento de hoje (9) está baixo, mas ontem foi muito bom. “Tivemos que mandar vir mais porque acabaram os produtos”. Luciano já está acostumado a trabalhar com estoque. “Atendemos oito municípios com merenda escolar, então temos um giro bastante grande de mercadorias. Já estamos acostumados a produzir bastante”. A empresa trabalha com oito sabores de sucos e nove sabores de geleia. “Temos bastante rotatividade. Estamos projetando algumas parcerias com alguns produtores para adquirir toda a produção deles”.

Entre os projetos futuros está o trabalho com produtos orgânicos. “É um nicho de mercado bastante amplo. Tem bastante concorrência, mas é a qualidade do produto que faz o mercado”, afirma.  

Deixe uma resposta