Apesar da baixa liquidez, preços do trigo subiram em janeiro

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

O mercado brasileiro de trigo iniciou o ano com uma expectativa de elevação nas cotações internas, puxadas pela forte desvalorização do real frente o dólar. A variação cambial eleva as paridades de importação, e assim, descola os preços internos do mercado internacional.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, a grande quebra de safra na produção nesta temporada, principalmente no Rio Grande do Sul, que superou a da temporada anterior, e no Paraná, criou um novo fator de possibilidade de elevação de preços.

“O lado da demanda conseguiu se antecipar, importando volumes consideráveis do Paraguai a preços ainda atrativos, e da Argentina. Ainda houve a possibilidade de comprar dos produtores que precisavam se desfazer do produto, para abrir espaços nos armazéns para a safra de verão, negociando a preços inferiores aos referenciais do mercado. Desta forma, os moinhos conseguiram se estocar a longo prazo, período estimado até março, pelo menos, reduzindo a necessidade de compras e, significativamente, a liquidez do mercado”, analisa Pinheiro.

Conforme o analista, o cenário econômico nacional também favorece o alongamento dos estoques da indústria, visto que a crise que o país atravessa gerou uma redução considerável na demanda pela farinha, e como resposta, reduziu de 20% a 30% o ritmo de moagem dos moinhos brasileiros em relação ao mesmo período do ano passado.

“Para o próximo mês a expectativa é de manutenção do cenário atual, visto que os moinhos continuarão sem necessidade de voltar ao mercado, e dependendo do volume da safra de soja, o produtor poderá ter que reduzir ainda mais os preços. Apesar disso, as variáveis fundamentais continuam indicando um potencial de elevação dos preços”, finaliza Pinheiro.

USDA

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) divulgou, no último dia 12, seu relatório mensal de oferta e demanda global pelo trigo. Segundo o Departamento, a safra mundial 2015/16 está estimada em 735,39 milhões de toneladas, acima das 734,93 milhões de toneladas estimadas em dezembro. Os estoques finais mundiais de trigo em 2015/16 estão estimados em 232,04 milhões de toneladas, acima das 229,86 milhões de toneladas em dezembro

Para os Estados Unidos, o USDA indicou a safra 2015/16 do cereal em 2,052 bilhões de bushels, mesmo volume estimado no mês anterior, contra 2,026 bilhões de bushels em 2014/15. Os estoques finais do país em 2015/16 foram projetados em 941 milhões de bushels, contra 911 milhões de toneladas do relatório anterior.

Deixe uma resposta