(54) 3632 5485 contato@destaquerural.com.br

Planalto promove tarde de campo sobre bovinocultura de leite

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A propriedade do agricultor Odair Ferencz, na Linha Sete de Setembro, interior do município de Planalto, recebeu no dia 13 mais de 70 produtores locais na Tarde de Campo sobre Bovinocultura de Leite. O evento, organizado pela Emater/RS-Ascar, em parceria com a Prefeitura, Secretaria Municipal da Agricultura, Laticínios Frizzo e Cooper A1, foi realizado com o objetivo de fomentar a atividade leiteira no município.

Há 43 anos, a família Ferencz vive na propriedade da Linha Sete de Setembro. A bovinocultura é o carro chefe da propriedade, atividade desenvolvida há mais de 11 anos. Dos 15 hectares da propriedade, oito são destinados à produção de leite. Hoje, são 24 animais em lactação. Em determinadas épocas, esse número sobe para 39 animais. A produção média mensal é de 18,8 mil litros de leite, podendo a chegar, no inverno, a 27 mil litros.

Cinco estações dividiram importantes temas apresentados durante a Tarde de Campo. A primeira estação tratou sobre melhoramento genético do rebanho leiteiro, tema apresentado pelo representante da TAG do Brasil, Eloir Cristiano Wieczyrski. Os benefícios da padronização genética foram elencados, como a seleção de animais superiores e a exclusão de doenças genéticas, o que garante a seleção de animais melhoradores.

O tema qualidade do leite foi abordado pelo médico veterinário da Laticínios Frizzo, Leonardo Sperandio. Segundo ele, a atividade é uma das mais atrasadas do setor agropecuário. Estamos atrasados para começar a mudar. A Normativa 62 está aí e é preocupante a situação de alguns produtores. O problema não é o volume, mas a qualidade do leite produzido. Pode produzir pouco, mas com qualidade. Todo grande já foi pequeno. Se nos considerarmos pequenos, devemos melhorar sempre, para permanecer na atividade, produzindo com qualidade, exclamou. O médico veterinário falou ainda sobre os procedimentos necessários ao bom manejo, para controle das Contagem de Células Somáticas (CCS) e da Contagem Bacteriana Total (CBT).

A estação sobre manejo e adubação de pastagens foi apresentada pelo técnico em agropecuária da Emater/RS-Ascar de Palmitinho, Alex Rubin. A produção de leite à base de pasto é um dos métodos mais eficientes para o pequeno produtor, de baixo custo e alta produtividade. A escolha das variedades e o manejo adequado garantem a produção de pasto o ano todo.

Conservação do solo e gestão ambiental foram assuntos trabalhados pelo assistente técnico regional de recursos naturais da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, Carlos Roberto Olczevski. Um solo fértil permite a produção de forrageiras e de milho para ração e para silagem, e é um fornecedor de água e nutrientes, afirmou Carlos, apontando que o bom manejo do solo depende da fertilidade química, física e biológica. No caso da fertilidade química, é preciso realizar a coleta e análise de solo antes da implantação de pastagem. O cuidado com o solo deve fazer parte do planejamento da propriedade, já que. a produtividade está diretamente ligada ao manejo do solo, enfatizou Olczevski.

Para encerrar, o técnico em agropecuária da Emater/RS-Ascar de Alpestre, Alencar dos Santos, explicou aos participantes sobre manejo de silagem e produção de feno. Os produtores acompanharam o trabalho das máquinas na produção de feno, conhecendo os benefícios deste complemento para a atividade leiteira. A Secretaria da Agricultura de Planalto adquiriu máquinas para produção de feno e está disponibilizando o maquinário aos produtores interessados. O trabalho ainda está em fase de experimentação, mas vem beneficiando os produtores de Planalto.

A Tarde de Campo contou com a participação do prefeito de Planalto, Antonio Carlos Damin, do vice-prefeito e secretário da Agricultura, Gabriel Olkoski, do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), João Kosvoski, do gerente do escritório regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, Francisco Frizzo, e do gerente do setor de bovinocultura de leite da Cooper A1, Egon Grings.

Deixe uma resposta