Mundo tem três trilhões de árvores e perde 10 bilhões por ano

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Um estudo da Universidade de Yale calcula que o número de árvores no mundo passa de três trilhões. Isso significa que há 420 árvores para cada habitante do planeta. Trata-se de um total que supera em oito vezes a medição anterior, de 400 bilhões de espécimes. A nova contagem fez uso desde análises topográficas até análises de fotos de satélite. Este cálculo servirá de base para pesquisas, estudos sobre biodiversidade e modelos de mudanças climáticas – isso porque árvores têm papel fundamental na remoção do dióxido de carbono da atmosfera. O estudo descreve o estado do sistema global florestal em números que as pessoas entendem e que cientistas e responsáveis por políticas ambientais possam usar. Pelo menos 40% das árvores do mundo estão em florestas tropicais e subtropicais. Apesar do uso de alta tecnologia, um ponto crucial do estudo de Yale foi o uso de medições locais. Coletaram-se dados sobre densidade arbórea em mais de 400 mil áreas florestais ao redor do mundo. Isso ajudou a compensar as limitações das análises por satélite, cujas fotos são boas para mostrar as extensões de florestas, mas que não são muito úteis para revelar números individuais de espécimes. Dos três trilhões de árvores do mundo, os cientistas estimam que 1,39 trilhão esteja em regiões tropicais, como a Amazônia, ou subtropicais. Cerca de 0,61 trilhão estaria em locais de clima temperado e 0,74 trilhão nas florestas boreais – os imensos grupos de coníferas que circulam o globo logo abaixo do Polo Norte. E justamente nessas regiões é que foram encontradas as maiores densidades florestais. O que ficou evidente, segundo o estudo, foi a dimensão da influência humana sobre o número de árvores no planeta. A equipe de Yale estima que, enquanto 15 bilhões de árvores são removidas por ano, apenas cinco bilhões são plantadas, no mundo. Fala-se de 0,3% de perda global anual; não é uma quantia insignificante e isto deveria levar a uma reflexão sobre o papel do desflorestamento nas mudanças em ecossistemas. Sem falar as perdas de árvores estão ligadas à exploração madeireira e à atividade agrícola. Com o crescimento da população mundial, pode-se ver essas perdas aumentarem. Estima-se que, desde a última Era do Gelo, há 11 mil anos, o homem pode ter removido mais de três trilhões de árvores. A Europa antigamente era coberta por uma floresta gigante e agora é praticamente campos e pastos.

Deixe uma resposta