Leite: Georreferenciamento traz aumento da qualidade

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

A grande preocupação dos produtores de grãos, a cada ano que passa, é: como aumentar a produtividade e, consequentemente, a produção em uma mesma área a ser plantada? Isso não é diferente com os produtores de leite. O surgimento de novas tecnologias praticamente obriga os agricultores a acompanharem a evolução, o que faz com que a cada nova temporada eles façam algumas mudanças que possam trazer mais incremento e renda às suas propriedades. Nesse contexto, o georreferenciamento e o rastreamento são ferramentas que estão à disposição dos produtores, permitindo que façam um acompanhamento com mais fidelidade sobre o que acontece nas propriedades, independentemente do número de animais de cada plantel.

Localização geográfica

Carlos Bondan, professor do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Passo Fundo (UPF) afirma que o georreferenciamento e o rastreamento fazem com que, além de conhecer cada canto de suas propriedades, os produtores fiquem sabendo como está cada um dos animais e do que cada um deles mais está precisando para que o rendimento seja o melhor possível. “O georreferenciamento serve para identificar a localização geográfica de cada propriedade e, a partir daí, todas as vezes que aquela propriedade apresentar um problema de qualidade, que seja mais rápida a tomada de decisões para as melhorias”, afirma.

Melhora na qualidade

Segundo Bondan, o que se propõe com o georreferenciamento e com o rastreamento não é identificar somente uma propriedade, mas, sim, o conjunto de propriedades localizado em uma determinada região. Ele cita como exemplo o estado do Rio Grande do Sul.

“Dos diferentes municípios do Estado, uma vez que os produtores que tenham suas terras georreferenciadas, nós teremos condições de identificar qual o distrito de determinado município em que teríamos o maior problema com a qualidade e qual o problema estaria acontecendo. A partir disso, poderíamos tomar medidas focadas para melhorar a qualidade do leite”, explica Carlos Bondan.

Portal Vertical

Bondan afirma que algumas empresas já possuem o serviço de georreferenciamento e de rastreamento e que têm as áreas de seus produtores integrados já identificadas. A UPF oferece esse serviço por meio do Serviço de Análise de Rebanhos Leiteiros (SARLE), em que os produtores interessados nos serviços de georreferenciamento e de rastreamento podem se cadastrar para que tenham suas propriedades mapeadas e possam ter um monitoramento sobre a qualidade da sua produção. “Nós, por meio do SARLE, temos um projeto que já foi implantado e que está em andamento, que se chama ‘Portal Vertical’. Isso nada mais é que uma ferramenta da web, que utiliza alguns recursos da tecnologia da informação para identificar esses produtores e levar as informações de qualidade do leite a eles”, conta.

Dados especificados

Em resumo: todos os agricultores que entregarem o leite produzido nas suas propriedades para as indústrias que são clientes do SARLE terão à sua disposição, de forma gratuita, essa grande ferramenta. Uma vez que o produtor acesse o serviço via internet pelo Portal Vertical, basta colocar seu login e sua senha e terá condições de acessar os dados que mostram a qualidade.

 

Desta forma, os produtores podem ter acesso a dados como:

– gordura

– proteína

– lactose

– células somáticas

– contagem bacteriana total

 

“A partir daí, no primeiro acesso, esses resultados estarão disponíveis e, aqueles valores que estão fora das conformidades segundo a Instrução Normativa número 62, aparecem com uma coloração vermelha. Ao clicar sobre esse ícone vermelho, o produtor tem acesso às causas daquelas inconformidades e todos os passos que deverá seguir para melhorar cada um desses aspectos”, diz.

Vantagens

As principais vantagens para aqueles que optarem pelo georreferenciamento e pelo rastreamento é que, ao acessarem o Portal Vertical, os produtores têm acesso a essas informações e, a partir disso, conseguem melhorar a qualidade do leite produzido em sua propriedade. Uma das consequências é que eles, com um produto adequado às exigências constantes no SARLE, conseguem barganhar melhor preço pelo produto que está comercializando. Por outro lado, deixam de ser penalizados pela falta de adequação, já que “as indústrias já pagam por qualidade e muitas vezes, quando não são atingidos os parâmetros recomendados, os produtores podem sofrer penalizações”, adverte Bondan.

Pastagem rotacionada

Indiretamente, o sistema desenvolvido pelo SARLE auxilia também aos produtores que fazem o sistema de pastagem rotacionada, ou seja, que dividem a propriedade em piquetes para alimentar o gado. “Os parâmetros de qualidade que correspondem aos sólidos estão diretamente relacionados à nutrição. Então, quando se tem uma dieta balanceada no rebanho, obviamente os níveis de gordura, de proteína e de sólidos se elevam. Como o preço também é balizado sobre esses parâmetros, quem tem um sistema rotacionado, terá um menor volume de sólidos e um retorno econômico satisfatório”, completa Bondan.

Procura incipiente

O professor informa que a procura pelos serviços de georrefereciamento e de rastreamento ainda é baixa, principalmente pela dificuldade dos produtores em terem o acesso à internet, o que é urgente em todas as propriedades do interior. “Ainda é bastante incipiente. Trabalhamos para divulgar o serviço e para que as informações cheguem até os produtores para que eles passem a conhecer essas novas ferramentas”, finaliza.