2014: Ano Internacional da Agricultura Familiar

Destaque Rural | Portal do Agronegócio | Revista, Agricultura, Pecuária, Mercado

Desafios dos pequenos agricultores são centro do debate nacional, regional e global do AIAF

Aumentar a visibilidade da agricultura familiar e dos pequenos agricultores e destacar seu papel na erradicação da fome e pobreza, estão entre as principais metas do Ano Internacional da Agricultura Familiar (AIAF) 2014.

Através de uma ampla discussão nacional, regional e global, a intenção é aumentar o entendimento dos desafios enfrentados por estes produtores, assim como ajudar e identificar maneiras que possam apoiar os agricultores familiares. O foco da discussão também engloba segurança animal e nutricional, gestão de recursos naturais, proteção do meio ambiente e desenvolvimento sustentável, melhora dos meios de subsistência, entre outros. O AIAF 2014 também quer reposicionar a agricultura familiar no centro das políticas agrícolas ambientais e sociais nas agendas sociais, identificando oportunidades para a ocorrência de um desenvolvimento mais equilibrado.

Reconhecimento

O Ano Internacional da Agricultura Familiar foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), em reconhecimento à contribuição da agricultura familiar para segurança alimentar e erradicação da pobreza no mundo. O tema foi escolhido pelos 193 países membros da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Com a iniciativa, a FAO pretende sensibilizar sociedades e governos sobre a importância do setor para a segurança alimentar e a produção de alimentos, além de mobilizar a atenção mundial na erradicação da fome e pobreza.

A agricultura familiar:

– é principal motor do desenvolvimento regional

– responde por 74% do emprego no campo

– conta com mais de 4,3 milhões de unidades produtivas, que correspondem a 84% do número de estabelecimentos rurais brasileiros

– considerando apenas os países do Mercosul, emprega diretamente cerca de 10 milhões de pessoas.

O QUE É AGRICULTURA FAMILIAR?

A agricultura familiar inclui todas as atividades agrícolas de base familiar e está ligada a diversas áreas do desenvolvimento rural. Consiste em um meio de organização das produções agrícola, florestal, pesqueira, pastoril e aquícola que são gerenciadas e operadas por uma família e predominantemente dependente de mão-de-obra familiar, tanto de mulheres quanto de homens.

Tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento, a agricultura familiar é a forma predominante de agricultura no setor de produção de alimentos.

Nacionalmente, existe uma série de fatores que são fundamentais para o bom desenvolvimento da agricultura familiar, tais como: condições agroecológicas e as características territoriais; ambiente político; acesso aos mercados; o acesso à terra e aos recursos naturais; acesso à tecnologia e serviços de extensão; o acesso ao financiamento; condições demográficas, econômicas e socioculturais; disponibilidade de educação especializada; entre outros.

A agricultura familiar tem um importante papel socioeconômico, ambiental e cultural.

Importância

– A agricultura familiar e de pequena escala estão intimamente vinculados à segurança alimentar mundial.

– Preserva os alimentos tradicionais, além de contribuir para uma alimentação balanceada, para a proteção da agrobiodiversidade e para o uso sustentável dos recursos naturais.

– Representa uma oportunidade para impulsionar as economias locais, especialmente quando combinada com políticas específicas destinadas a promover a proteção social e o bem-estar das comunidades.